11 de dez de 2007

NOITE FELIZ?













































NOITE FELIZ?
Quanta incoerência!
Comemorar uma data de celebração da vida com a morte na mesa.
Bilhões de animais estão sendo bárbaramente assassinados para satisfazer o insaciável paladar humano. Tudo é motivo para que um animal seja abatido, moído, fatiado, empacotado e servido.
Festa cristã? Santa ceia? Noite feliz?
Tudo é festa, tudo é comemoração, e mais uma vez, o desprezo à vida. Mais uma vez, os animais irão se reunir na mesma mesa. Os vivos em volta e os mortos no centro.
Mais de 2000 anos se passaram e ainda não aprendemos nada. Esse é o verdadeiro Holocausto Animal .
Viva a "bestialidade humana".
Feliz Natalpara quem puder

7 de dez de 2007

MOSTRE O QUANTO VOCÊ SE IMPORTA COM OS ANIMAIS























DOMINGO 9 DEZEMBRO

Manifestação em observação ao
"DIA INTERNACIONAL DOS DIREITOS ANIMAIS"
DIDA 2007

local: Parque Ibirapuera - São Paulo
(em frente ao Monumento às Bandeiras)
horário: 10h

COMPAREÇA

Realização:
www.holocaustoanimal.org
www.veddas.org.br

mais informações:

http://www.veddas.org.br/noticia.php?id=30

http://www.holocaustoanimal.org/acoes_09_12_07.htm

27 de nov de 2007

DIDA 2007























Os grupos Pelo Fim do Holocausto Animal e VEDDAS (Vegetarianismo Ético, Defesa dos Direitos Animais e Sociedade) convidam para:

Manifestação em observação ao DIA INTERNACIONAL DOS DIREITOS ANIMAIS
09 de dezembro
Parque Ibirapuera - SP (em frente ao Monumento das Bandeiras)

Programação:
10h – Concentração na área do Monumento às Bandeiras (Parque do Ibirapuera) junto ao carro de som
11h30 – Saída em passeata pela Avenida Pedro Álvares Cabral
14h – Término da passeata no mesmo local do início
Histórico:
As fotos da excelente manifestação em observação ao Dia Internacional dos Direitos Animais 2006 podem ser vistas em:
http://community.webshots.com/album/556354281mXBiqE
Saiba sobre os protestos realizados em todo o mundo em 2006 acessando http://www.uncaged.co.uk/iard9.htm

www.holocaustoanimal.org
www.veddas.org.br

12 de nov de 2007

DR. JERRY VLASAK














Para o ativista Jerry Vlasak, vale tudo na luta contra o uso de animais como cobaias em testes de laboratórios. Até matar cientistas.
Seria durante uma passagem pela Grã-Bretanha que o médico e ativista americano Jerry Vlasak explicaria à Super Interessante suas opiniões sobre a luta pelos direitos dos animais. A entrevista ocorreria na Inglaterra, durante um encontro promovido por ativistas da Europa e dos Estados Unidos. Mas o texano radicado na Califórnia nem teve oportunidade de arrumar as malas. O governo britânico negou seu pedido de visto, alegando que suas “opiniões perigosas” não são bem-vindas no país.
Ao conversar com a revista por telefone, Vlasak mostrou por que quando abre a boca assusta autoridades, aterroriza a indústria farmacêutica e recebe críticas da maior parte da comunidade científica. Suas idéias são uma amostra do que muita gente chama de ecoterrorismo. Acha, por exemplo, “moralmente aceitável”, o assassinato de cientistas que utilizem cobaias de laboratório. “As mortes só ajudariam a causa”, afirma.
Quando não está atendendo vítimas de acidente de trânsito, tiros e facadas um hospital de Los Angeles, Vlasak dá assessoria científica a entidades como Speak e Shac, duas das mais radicais organizações antitestes com animais. Atualmente, os grupos tentam impedir a construção do novo laboratório de cobaias na Universidade de Oxford e varrer do mapa a Huntingdon Life Sciences, empresa especializada em pesquisas químicas e farmacêuticas. Entre os objetivos dos inimigos de Vlasak estão a busca de tratamentos para doenças como o câncer, diabetes, mal de Parkinson e de Alzheimer.
SI: Porque você julga ser aceitável atacar cientistas que estão usando cobaias para desenvolver novos medicamentos? Qualquer coisa que detiver essas pessoas é moral e necessária. Não estamos falando de gente inocente. Eles torturam animais em laboratórios todos os dias. Não adianta eu parar numa calçada com um cartaz pedindo o fim dos experimentos. Ninguém vai me ouvir. E a verdade é que nossas táticas funcionam. A Universidade de Cambridge desistiu de construir um laboratório porque ficou com medo dos ativistas Eles também acharam que o sistema de segurança ficaria muito caro. Uma empresa especializada em pesquisas já perdeu 63 clientes e fornecedores. Nossa pressão também já fechou uma fazenda que criava gatos e um canil que fornecia cães da raça beagle para laboratórios. Nelson Mandela dizia que a não-violência é uma estratégia, não um princípio moral. Nós temos o dever moral de fazer o que dá resultados.
SI: Você vê algum limite ético nesse dever? Não existem limites. Qualquer tática que funcione é legítima. Alguns cientistas só vão acabar com os experimentos se temerem pela própria vida. É uma pena que seja assim. O que fazemos não é muito diferente de assassinar nazistas como Hitler, Himmler ou Goebbels. Se matássemos os três e salvássemos 6 milhões de judeus, ninguém diria que é errado. Creio que o mesmo raciocínio vale para animais. Matar dois, três, cinco ou dez (pesquisadores) e salvar milhões de vidas inocentes é moralmente aceitável.
SI: Como a morte de um cientista será capaz de trazer benefícios aos animais? Observe qualquer movimento de luta contra a opressão, como o combate ao Apartheid na África do Sul e a escravidão nos Estados Unidos. Sempre que uma força exerce pressão sobre outra, a mais fraca recorre à violência. E os resultados acontecem. Até agora ninguém morreu, mas isso ainda vai acontecer. Não estou pedindo isso, apenas prevendo. Você não pegaria em armas para impedir que crianças no jardim de infância fossem torturadas até morrer em laboratórios? Se aceitamos fazer isso por pessoas, mas não por animais, estamos adotando o especismo, ou seja, acreditar que seres humanos são superiores a outras espécies. Sou contra o especismo da mesma maneira que sou contra racismo, machismo e homofobia.
SI: Melhorar a saúde dos humanos não justifica os testes com animais? Na Alemanha nazista, judeus eram utilizados como cobaias em campos de concentração. Graças a testes assim, cientistas obtiveram informações úteis. Eu acho errado matar de frio um judeu para estudar o combate à hipotermia. Da mesma maneira, sou contra matar animais. Não me interessam os benefícios que essas pesquisas trarão.
SI: Para desenvolver antibióticos, os cientistas valeram-se de testes em cobaias animais. Como médico, você receita este tipo de remédio a seus pacientes?
Claro que sim. Mas o fato de um idiota ter enfiado droga goela abaixo de um animal para verificar a eficácia do tratamento não prova que esse ato seja necessário. É bom lembrar que novos remédios precisam sempre ser testados também em seres humanos.
SI: E como a medicina pode avançar sem experimentar suas novas tecnologias em cobaias de laboratório? Animais são forçados a viciar-se em cocaína, anfetaminas, cigarros e outras substâncias que todos sabem que são prejudiciais. Em outros experimentos, filhotes são separados de suas mães para estudar o que acontece com pessoas criadas sem afeto. A forma como esses animais sofrem não tem nada a ver com os humanos. Não há razão para isso. A maior parte das informações úteis para seres humanos é obtida em testes clínicos com seres humanos. Estudamos grandes amostras de pessoas, vemos o que acontece e detectamos padrões. Também podemos usar técnicas como autópsias, a análise de tecidos, testes em culturas de celular humanas e modelos matemáticos. Experimentos assim são muito mais confiáveis do que dar drogas a ratos, coelhos ou outros animais. Quando aplicamos drogas numa fêmea podemos ter efeitos diferentes daqueles verificados num macho. Acreditar que o que você deu ao rato terá o mesmo efeito num ser humano é estúpido. Não faz qualquer sentido. Não funciona. Na verdade, a utilização de animais pode até atrapalhar esse processo.O desenvolvimento da vacina contra pólio, por exemplo, atrasou dez anos porque o modelo animal não produziu os resultados desejados. Gastam-se centenas de milhões de dólares em pesquisas envolvendo animais e pelo menos 90% dos estudos vão para o lixo. E de tudo que é publicado, no máximo 1% ou 2% realmente tem alguma utilidade.
SI: Se os experimentos em cobaias são mesmo inúteis por que a indústria farmacêutica gasta tanto dinheiro com eles todos os anos? Testes com animais servem como arma para disputas judiciais. Se o remédio fizer mal, alega-se inocência com base nos testes da droga em muitas espécies. Também há muita gente ganhando dinheiro com pesquisas financiadas por recursos públicos, incluindo as indústrias farmacêuticas. Além disso, governos exigem a realização de testes em animais. Isso é um erro, mas não surpreende. A indústria farmacêutica tem dois lobistas para cada membro do congresso americano. Foi por causa desse tipo de lobby que o meu visto de entrada na Grã-Bretanha foi negado.
*Jerry Vlasak, nos tempos de médico-residente, participou de pesquisas contra a arteriosclerose envolvendo cachorros. Abandonou os experimentos por considerá-los “inúteis” e “cruéis”.
*Saboreava um bom bife até 1992, quando leu alguns livros sobre o sofrimento de animais, deu adeus à carne, leite e ovos e virou vegetariano.
*Foi preso por cinco dias por participar de um protesto contra o uso de peles animais em Los Angeles. Questionou a detenção na Justiça e acabou com 20 mil dólares de indenização no bolso.
REVISTA SUPER INTERESSANTE Maio 2005

7 de nov de 2007

6 de nov de 2007

PROTESTO MUNDIAL CONTRA O COMÉRCIO DE PELES























O Grupo Holocausto Animal membro da International Anti-Fur Coalition realizou no sábado dia 3/11 o protesto contra o comércio de peles em frente ao Shopping Iguatemi. Cerca de 30 ativistas estiveram presentes na ação que durou 3 horas. Apesar do mau tempo e do feriado prolongado, foram distribuídos quase 5 mil panfletos além da exibição de faixas e cartazes.
A ação aconteceu simultaneamente em 21 países. Além de São Paulo, ativistas realizaram protestos em Recife e no sul do país em Porto Alegre e Lajeado.

Veja como foi o protesto: Fotos de Mariana Bassani
http://good-times.webshots.com/slideshow/561321279BbwQkS

+ fotos do protesto
http://www.vidavegetariana.com/media_center/fotos/protesto031107/01.htm

Veja o que saiu na imprensa:
http://www.vidavegetariana.com/artigos/redacao/protesto_pele07.htm

http://sptv.globo.com/Sptv/0,19125,LPO0-6147-20071103-308627,00.html

http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI2045597-EI306,00.html

http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL168307-5605,00-ATIVISTAS+SE+TRANCAM+EM+JAULA+CONTRA+COMERCIO+DE+PELES.html

http://br.noticias.yahoo.com/foto/04112007/61/foto/protesto-realizado-na-porta-shopping-iguatemi-na-zona-sul-sao.html/print

http://www.radioeldoradoam.com.br/noticias/cidades/2007/nov/03/4.htm

Agradecimentos

Em nome do grupo agradeço a todos os voluntários e manifestantes que tornaram possível mais este ato em pról dos animais. O apoio do advogado Rogério Gonçalves militante do movimento que muito nos auxiliou diante do clima tenso em razão do forte esquema de segurança montado pelo shopping e ao apoio incondicional do vereador Aurélio Miguel, que mais uma vez colaborou na produção dos materiais utilizados.

Fábio Paiva

Ativista em defesa dos Direitos Animais

26 de out de 2007

COMUNICADO HOLOCAUSTO ANIMAL

O Grupo “Pelo Fim do Holocausto Animal”, aqui representado na figura de seu responsável, torna público seus esclarecimentos a respeito das acusações que lhe foram impostas: http://www.afropress.com/noticias_2.asp?id=1371

1. Os princípios do Grupo Holocausto Animal não são frutos de uma teoria pessoal, mas de várias entidades e pessoas ao redor do mundo, que comungam dos mesmos anseios – Liberdade para os Animais! Nosso grupo é formado por pessoas de diferentes classes sociais, etnias, credos e religiões.

2. Este ideal deixa claro que somos “Abolicionistas” assim como foram aqueles que lutaram pela liberdade ao longo da história.

3. Jamais poderíamos ter sido acusados de fazer apologia ao racismo. O repúdio aos nossos ideais é uma visão estreita e mesquinha daqueles que não entendem o significado do termo Especismo.

4. Quando das afirmações em se comparar negros a cães e judeus a porcos, são totalmente equivocadas e infundadas. A comparação que queremos mostrar é a do SOFRIMENTO, que na nossa compreensão é igual entre humanos e animais. Os animais são capazes de sofrer, assim como os brancos, negros, judeus, orientais, não importando a etnia. Todo ser vivo é passível sofrimento.

5. Nunca tivemos a intenção de ofender a memória de quem quer que seja. Ao contrário, se fazemos alusão à escravidão e ao holocausto, mantemos em pauta os nefastos acontecimentos da história da humanidade que jamais devem ser esquecidos para que não se repitam, assim como fazem os judeus mantendo o museu do Holocausto.

6. Repudiamos toda forma de opressão aos seres humanos e animais. A voz da nossa consciência grita todos os dias em nossos ouvidos de que estamos no caminho certo. O caminho da paz e igualdade entre as espécies. Desculpem-nos aqueles que não são capazes de entender a nossa mensagem.

7. Agradecemos todas as manifestações de apoio, porém, não compactuamos com qualquer manifestação de ofensa ou ameaça dirigida ao site AfroPress. Se quisermos ser respeitados, temos que respeitar.

8. Reiteramos nossos anseios por um mundo melhor, com uma convivência pacífica entre humanos e não-humanos.

Fábio Paiva
PELO FIM DO ESPECISMO

23 de out de 2007

holocaustoanimal.org denunciado no Ministério Público

Grupo de defesa animal ofende memória de negros e judeus
Por: Redação - Fonte: Afropress - 21/10/2007


S. Paulo – Sob o pretexto de fazer a defesa dos animais, um grupo adepto do veganismo - uma corrente radical do vegetarianismo, que prega o não consumo radical de carne - ofende a memória de negros e judeus, vítimas do racismo e do nazismo.
Seus adeptos mantém na Internet uma página (http://www.holocaustoanimal.org/) em que exibem fotos comparando o holocausto com o abate de animais, em especial porcos, e também faz comparações bizarras e atentatórias à memória dos negros exibindo a imagem conhecida da Escrava Anastácia, personagem lendária e considerada santa pela devoção popular brasileira, colocada ao lado de cães com focinheiras.
A denúncia está sendo feita pela ONG ABC sem Racismo, que na semana passada (11/10) protocolou representação junto ao Ministério Público de S. Paulo, pedindo a abertura de investigação para apurar os crimes de apologia à escravidão e ao holocausto. A prática pode ser enquadrada como crime de racismo previsto na Lei 7.716/89, com redação dada pela Lei 9.459/97, que pune quem “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”, e sujeita o infrator a uma pena de reclusão de dois a cinco anos e multa ““.
O responsável pela ONG seria Fábio Paiva, morador no Ipiranga, em S. Paulo, não foi encontrado pela Afropress.

Imagens chocantes
As imagens colocadas na página da Internet parecem ter como propósito chocar, porém, as palavras não são menos fortes. Fotos de fileiras de judeus mortos no campo de concentração de Treblinka são colocados ao lado de porcos abatidos. Na mesma foto, a pergunta: “Qual a diferença?”
No caso da Escrava Anastácia que, segundo conta a história, foi sentenciada por um senhor de escravos, inconformado com a recusa da mesma em com ele manter relações sexuais, a usar uma máscara de ferro, que seria retirada apenas para que fizesse suas refeições - o que acabou provocando sua morte por maus tratos - as fotos de cães com focinheiras vem acompanhadas da afirmação. “Qualquer semelhança não é mera coincidência”.
“Curiosa, perversa e tétrica a associação subliminar que o Representado (Fábio Paiva) faz associando as imagens de judeus vítimas do holocausto a porcos e de negros a cães. Tais práticas são degradantes e ofensivas à história e ao sentimento de auto-estima da população negra e atentatórias às vítimas do holocausto nazistas e suas famílias, bem como aos sobreviventes daqueles crimes, considerados crimes contra a humanidade e são merecedoras do opróbrio e da vergonha de toda a sociedade brasileira”, diz a representação, assinada pelo presidente da ONG ABC sem Racismo, o jornalista Dojival Vieira.
A representação endereçada à promotora Fernanda Leão, coordenadora do Grupo de Inclusão Social do Ministério Público do Estado de S. Paulo, pede a instauração do procedimento administrativo, bem como a adoção de todas as medidas cautelares que o caso exigir.
Nota da Redação
À propósito da matéria “Grupo de defesa animal ofende memória de negros e judeus” e da reação do grupo citado, a Afropress reitera o seguinte:
1 – nos associamos às manifestações de repúdio a qualquer ato de crueldade contra qualquer ser vivo, seja ele humano ou não, por uma boa e simples razão: cruel, dizem os dicionários, é "aquele que se compraz em fazer mal, em atormentar ou prejudicar, cruento; duro, insensível, desumano”;
2 - entretanto, rejeitamos, recusamos e repudiamos com igual veemência, as disparatadas teses que pretendem colocar no mesmo patamar animais irracionais e seres humanos. Ao fazê-lo, seus defensores, tenham a motivação que tiverem – filosófica, política, religiosa, ou seja lá qual for – apenas conseguem uma coisa: humanizam animais irracionais e desumanizam seres humanos.
3 – Igualmente repelimos a associação que o referido grupo – sob o pretexto de condenar maus tratos aos animais – faz com sofrimentos infligidos a seres humanos, no caso, precisamente negros e judeus, vítimas das mais hediondas atrocidades, nos dois eventos que envergonharão para sempre a espécie humana, a saber: o escravismo genocida, responsável, durante quase quatro séculos, por um número incontável de mortos; e o nazismo, que sacrificou fria e calculadamente cerca de 6 milhões de judeus nos horrores do holocausto;
4 – Assim sendo, a associação dos referidos eventos com o sacrifício dos animais para consumo humano, constituem uma agressão inaceitável à memória de milhões de seres humanos negros e judeus, aos seus descendentes e à sua história;
5 – A representação impetrada junto ao Ministério Público do Estado de S. Paulo pela ONG ABC sem Racismo é uma iniciativa equilibrada que apenas busca os mecanismos legais disponíveis pelo Estado brasileiro, para fazer cessar a pregação fundamentalista de quem, em nome da liberdade da expressão, tem o direito de defender qualquer causa, menos uma: a de rebaixar a dignidade humana e desumanizar a vida.
Dojival VieiraJornalista Responsável pela Afropress - Agência Afroétnica de Notícias
PELO FIM DO ESPECISMO - FÁBIO PAIVA

26 de set de 2007

PROTESTO MUNDIAL ANTI-PELES























É justo matar para vestir?
Vestir-se com peles de animais é imoral e injustificável. A indústria da moda tem ao seu alcance peles sintéticas tão bonitas e até melhores que as peles verdadeiras, em termos de uniformidade e durabilidade. Apesar dos protestos mundiais, alguns estilistas insistem em manter peles naturais em suas coleções.
Por esse motivo, o Grupo “Pelo Fim do Holocausto Animal”, membro da International Anti-Fur Coalition realiza, no dia 3 de novembro (sábado), protesto contra o comércio de peles - realizado simultaneamente em mais 11 países (Israel-Estados Unidos-França-Inglaterra-Chile-Irlanda-Portugal-Bélgica-Espanha-Estônia-Finlândia).
No Brasil, apesar do clima tropical, dezenas de lojas comercializam roupas confeccionadas com peles de animais. Nosso país também ocupa o vergonhoso primeiro lugar na exportação mundial de peles de chinchila, conforme divulgado no site do fabricante.
Confira:
e acompanhe aqui o processo de abate
Apesar de as lojas listadas abaixo estarem apresentando suas coleções primavera/verão 2007/2008, todas comercializaram artigos de peles neste inverno. Saiba quem são:
Nacionais:
Eugenia Fleury, Le Lis Blanc, Fillity, Lita Mortari, Mixed, Parresh, Reinaldo Lourenço, Bob Store, Mixed, Doc Dog, Gloria Coelho, Zion, Lenny, M.Officer, Rosely Alves, Huis Clos, Marie Claire, Lucy in the Sky, Polignanno al Mare, ACSA, Daslu.
Internacionais que estão no Brasil:
Versace, Armani, Dolce & Gabanna, Louis Vuitton, Cristian Dior, Valentino, MaxMara, Mônica Rindi, Gucci, Blumarine, Fendi, Burberry, Vertigo.
Realização:
International Anti-Fur Coalition
3 de Novembro
Local: Av. Brig. Faria Lima, 2232 (em frente ao Shopping Iguatemi)
Horário: 10h

20 de set de 2007

III SEMANA DO ANIMAL























III SEMANA DO ANIMAL
“POR UMA ÉTICA ANIMAL, AMBIENTAL E SOCIAL”
SALVADOR / BA
De 30 de setembro a 5 de outubro de 2007

APRESENTAÇÃO
A “III Semana do Animal: Por uma Ética Animal, Ambiental e Social” ocorre de 30 de setembro a 5 de outubro de 2007, com abertura no Farol da Barra, e demais atividades na "Faculdade de Tecnologia e Ciências de Salvador (FTC - Salvador)", através de mini-cursos, mostra de vídeo e outras atividades a serem programadas. Haverá stands com materiais informativos durante as apresentações. A “Semana do Animal” é comemorada, anualmente, em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil. A estreita ligação da Ética Animal com a degradação ambiental, a crise ética da sociedade e a saúde pública faz do evento uma importante ferramenta para aproximar dos cidadãos questões intrigantes como: de que forma os animais desenvolvem relações sociais e sensibilidade? Quais as implicações do abandono de animais para a saúde pública? Existem leis que os defendam?Diante da importância do tema e da lacuna existente em nossa sociedade, torna-se urgente o incentivo a eventos como a Semana do Animal.
OBJETIVOS
- Fomentar discussões sobre temas relacionados aos animais, enfatizando a necessidade de buscar uma “Ética Animal, Ambiental e Social” nos meios acadêmicos, na mídia e na sociedade;
- Tornar mais próximas de nosso cotidiano questões que envolvem os animais;
- Aproximar da sociedade as empresas, instituições e organizações não-governamentais que se preocupam com o bem-estar animal e a causa ambiental.
PÚBLICO-ALVO
- Estudantes universitários dos cursos das áreas de Ciências Naturais e Humanas, residentes em Salvador e área metropolitana;
- Demais estudantes, pesquisadores, profissionais ou simpatizantes da causa animal;
- Cidadãos comuns, simpatizantes ou não da causa animal, que freqüentem o Farol da Barra;
ATIVIDADES
A abertura do evento ocorre no Farol da Barra, num domingo, 30 de setembro. Durante a semana, acontecem as demais atividades, sempre na FTC. A organização caberá à Coordenação do Curso de Ciências Biológicas da FTC, a uma comissão formada por estudantes do referido curso, e a ONG’s e grupos independentes de pesquisa e defesa ambiental.
ABERTURA: ATO PÚBLICO NO FAROL DA BARRA
Atividades:
- Feirinha de Adoção de Animais de Rua [organizada por ONG’s de proteção animal de Salvador];
- Praia Limpa [organizada pela ONG Biota Aquática];
- Tráfico de Animais Silvestres [organizada pela ONG Guardiões];
- Preservação da Fauna Silvestre.
Data e Horário: 30 de setembro, domingo, de 9h às 13h
Local: Avenida Oceânica, Farol da Barra
PARTICIPE:
Coordenação Geral: Analu Sousa (71) 3247 – 1538/ 8829 1586/
APOIO: PELO FIM DO HOLOCAUSTO ANIMAL

COMÉRCIO DE CARNE DE CACHORRO NAS FILIPINAS


Apesar de ser proibido nas Filipinas desde 1998, o comércio ilegal de carne de cachorro continua a florescer em determinadas regiões. A Human Society International com a ajuda da policia local, conseguiu salvar quase 100 animais que seriam destinados ao abate.

MAIS UMA VÍTIMA DO SER HUMANO


6 de set de 2007

LIBERTAÇÃO ANIMAL JÁ
























Temos o direito de matar animais para nos alimentarmos.

Temos o direito de usar animais como cobaias em nosso benefício.

Temos o direito de capturar animais de seu habitat e aprisioná-los em jaulas e gaiolas ou explorá-los em arenas e picadeiros para nosso divertimento.

Temos o direito de arrancar-lhes a pele ainda vivos para satisfazer nossa vaidade.

Temos o direito de usá-los como brinquedos e abandoná-los à própria sorte quando cansamos da diversão.

Temos o direito de ser livres e respeitados, mas esquecemos que eles têm os mesmos direitos que nós.

Se não podemos mudar o passado, temos o dever de transformar o presente, restituindo-lhes, principalmente, o direito de serem livres, o direito de viverem sem sofrimento, o direito de serem respeitados incondicionalmente.

Não haverá conquista da liberdade sem luta.
Junte-se a nós pelo fim da escravidão animal.

http://www.holocaustoanimal.org/

THE 11th HOUR



1 de set de 2007

A NATUREZA HUMANA





Um programa sobre gente
Por Marcelo Canellas (Repórter TV Globo)


A equipe estava sem fome, era cedo, bem antes de meio-dia. Mas tínhamos de almoçar ali mesmo, num restaurante às margens da rodovia que liga São Paulo a Cotia, porque nosso compromisso no Rancho dos Gnomos, onde conheceríamos um santuário de grandes felinos africanos, seria por volta das 13h. O garçom não conteve a curiosidade: "Vocês são do Globo Repórter? E é sobre gente ou sobre bicho?".

Meu primeiro ímpeto foi dizer que "animais abandonados" era o tema do nosso programa. Mas a pergunta do garçom foi como um sopro de lucidez entrando numa frincha da percepção, elucidando o que estava inteiramente oculto. Então respondi, convicto: "É sobre gente, amigo. É sobre a natureza humana".

À medida que fomos filmando pássaros com asas amputadas, leões com garras arrancadas, chimpanzés com presas serradas e todo tipo de seqüelas da violência contra os animais, fui me convencendo de que eu estava certo. Estávamos fazendo uma reportagem sobre o quanto as pessoas, ao odiarem uma outra forma de vida, podem negar sua própria humanidade. E também sobre como podem honrá-la ao amar os animais.

No longínquo ano de 1206, em pleno vigor do espírito feudal que punha suseranos e vassalos em esferas incompatíveis de convivência, um certo Francisco de Assis abandonou os castelos que freqüentava, desfez-se de suas posses, despiu-se até mesmo de suas vestes e foi viver entre os pobres. Poeticamente, chamava o sol de irmão e a lua de irmã. E dizia que nada define melhor a condição humana do que a capacidade de amar os bichos. Não é preciso ser religioso ou acreditar em São Francisco de Assis para saber, mesmo 801 anos depois, que o que nos torna diferentes, o que nos torna especiais, o que nos torna magnânimos em comparação com as outras formas de vida, é a nossa capacidade de amar.

Homens e mulheres têm de sobra as ferramentas do afeto, forjadas na cultura e na vida em sociedade. A tolerância, a generosidade, a idéia de que temos um futuro comum neste planeta são princípios universais conquistados pela Humanidade em sua dura luta contra a barbárie. Não gostamos da solidão, não queremos a dor, não toleramos a humilhação. Se somos egoístas, se ferimos e matamos, se submetemos nossos semelhantes ao vexame da miséria e da pobreza, estamos em desacordo com o esforço civilizacional da convivência. Civilizado convive, respeita, tolera. Os bárbaros subjugam. Tanto faz se os subjugados são gente ou bicho.

Vimos leões entrevados pelo confinamento, chimpanzés esquizofrênicos e atormentados por anos de espancamento, araras cegas, onças mutiladas e todo tipo de sofrimento e privações. Parece a vitória da barbárie. Não é. Porque vimos também extraordinários exemplos de generosidade e dedicação. A grandeza de saber amar e proteger seres vivos que, como nós humanos, também sentem frio, dor e medo, ajuda a recuperar a humanidade que ainda há em cada um de nós. Basta ver o que o Rancho dos Gnomos fez com o leão Will. Abandonado por um circo e tendo vivido a vida inteira trancafiado, Will pôde, aos 13 anos de idade, pisar na terra pela primeira vez. Esfregando as patas na grama, no húmus, na energia mineral da natureza, livre da superfície inócua do chão da jaula, Will nos enche de ternura, nos entope de compaixão e, portanto, nos ajuda a salvar um pouco da humanidade que tínhamos perdido.

http://www.ranchodosgnomos.org.br/


http://www.projetogap.com.br/


http://www.nex.org.br/


http://www.suipa.org.br/

O MASSACRE DOS BOTOS NO AMAPÁ


















Por Marcelo Szpilman*

Em mais um flagrante desrespeito à Natureza, vemos a ganância humana sobrepujando a dignidade. Mais uma vez constatamos que quando há falta de educação e de bom-senso não se pode ter consciência ambiental. A crueldade e a covardia perpetradas contra os animais, algo inadmissível nos tempos atuais, continuam a ocorrer ao redor do mundo e no Brasil.
Em julho, o Fantástico, da Rede Globo, mostrou cenas chocantes de pescadores no litoral do Amapá capturando 83 botos, mortos após terem seus olhos e dentes arrancados. Se a motivação para a captura dos botos fosse o consumo da carne, ainda que altamente discutível e desnecessário, faria algum sentido, mas não foi por isso. Foi pela tradição e pela crença de que os olhos e os dentes dos botos e golfinhos são "amuletos" com poderes especiais.
É a antiga e imbecil crendice popular motivando a morte de animais para a obtenção de partes de seu corpo para produzir produtos cujos benefícios apregoados não têm qualquer fundamento antropológico, social ou científico válido e comprovado. Gananciosamente, mata-se o animal para obter uma parte valiosa e muito rentável de seu corpo, descartando-se todo o resto.
São aberrações predatórias e criminosas que demonstram o total desprezo pela vida de outro ser vivo. É a mesma crendice que gera a caça para obtenção das barbatanas dos tubarões, pênis de tigres, patas de gorilas, olhos de primatas e chifres de rinocerontes. Supostos efeitos curadores ou afrodisíacos geram perseguições e práticas pertubadoras insustentáveis que tendem a levar essas espécies à extinção.
Recebi essa semana um e-mail denunciando um documentário que mostrava um facão em formato de roda cortando os pés de cavalos vivos. Não é muito diferente das raposas, na Rússia, e das focas, no Canadá, escorchadas ainda vivas ou dos tubarões que têm suas nadadeiras extirpadas e são devolvidos vivos ao mar. Independente da questão moral-econômica-ecológica, as imagens sangrentas depõem contra qualquer argumento plausível a favor da matança onde a crueldade é absolutamente desnecessária.

Como advertiu o filósofo inglês Edmund Burke (1729-1797):
“A única coisa necessária para que o mal triunfe é que os bons homens nada façam”.

Não se cale diante das atrocidades contra os animais! Proteste!

Dê seu apoio às causas ambientais e aos projetos ecológicos!



Instituto Ecológico Aqualung
instaqua@uol.com.br
www.institutoaqualung.com.br
*Marcelo Szpilman é diretor do Instituto Ecológico Aqualung

18 de ago de 2007

MADE IN CHINA - PENSE BEM ANTES DE COMPRAR!

















A verdade por trás do fenômeno econômico chinês:


1 - A China cresce hoje o que não cresceu em séculos. Trata-se de crescimento proporcional local e não mundial. É como um corredor de F1 que faz a volta mais rápida da corrida, mas está 3 voltas atrás do 1º colocado. Ela cresce rapidamente hoje o que os EUA já havia alcançado na década de 1950;
2 - Incentivo governamental à pirataria (vista grossa);

3 - Subsídios, política tributária, fiscal e monetária paternal para empresários locais;

4 - Mão-de-obra barata (escrava). Na China não existem leis trabalhistas, nem nada parecido. Trabalha-se 12, 14 horas/dia por uma ajuda de custo única. E porque eles aceitam isso? Ora, com 1 bilhão e 300 milhões de pessoas não dá pra escolher muito. Ou você trabalha ou morre de fome;

5 - Péssima qualidade dos produtos. Não há normas, padrões nem fiscalização dos processos industriais e comerciais. No salão do automóvel de Frankfurt em 2005, por exemplo, descobriu-se que uma montadora chinesa utilizava papelão de caixa de ovos no forro dos veículos;

6 - Consumo interno baixíssimo. A China exporta 90% de tudo o que produz porque, entre outros fatores, a população local não tem renda para comprar 1/3 do que se fabrica por lá;

7 - A China desenvolvida se resume à duas cidade: Pequim e Shangai. O resto são verdadeiras vilas medievais paupérrimas. A agricultura chinesa ainda usa o arado manual, que era utilizado no período paleolítico há pelo menos 8 mil anos;

8 - O respeito (ou inteligência) ao meio-ambiente na China é menor do que zero! Não existe concepção de desenvolvimento sustentável. As indústrias chinesas agem como verdadeiros vírus: instalam-se em um local e "sugam" tudo o que é possível, destruindo e degradando a natureza sem dó. Quando nada mais resta, simplesmente se mudam de lugar e recomeçam o processo de destruição. E o governo aplaude e incentiva este comportamento.


*Médicos do principal hospital da cidade de Xangai (um das cidades mais desenvolvidas da China),são denunciados por tráfico de órgãos!!! http://jornalnacional.globo.com/Jornalismo/JN/0,,AA1430422-3586,00.html


* Mais de 80% das empresas chinesas exploram trabalhador, diz estudo



* Desprezo à vida humana chega ao cúmulo na China.

Corpo de menina passa horas na sarjeta



*A China é responsável pela morte de centenas de milhares de tibetanos e está procurando ativamente destruir a cultura original e a identidade de Tibet, conduzindo ao que o Dalai Lama denominou “Genocídio cultural”.




PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS


A China não cumpriu a promessa de melhorar a situação dos Direitos Humanos antes da realização dos Jogos Olímpicos de 2008, e agora resta pouco tempo para isso, afirma a organização Anistia Internacional em um comunicado.




Segundo a Anistia Internacional, as principais violações dos direitos humanos na China são a existência de pena de morte, discriminação contra as mulheres, campos de trabalhos forçados e tortura, prisão de jornalistas e internautas. Segundo a organização, a China executa ao ano mais pessoas do que todos os outros países do mundo juntos -seriam quase 10 mil pessoas ao ano, número que Pequim não comenta.

A violação dos direitos humanos estende-se ainda à liberdade de expressão e crença. De acordo com organismos internacionais, milhares de pessoas são presas por expressar sua opinião de forma pacífica e por prática religiosa. Além disso, o Estado comunista é unipartidário.


O que esperar do tratamento dispensado aos animais?


Na China cães e gatos são fervidos, afogados, estrangulados, envenenados, eletrocutados, para a retirada de suas peles e o comércio de sua carne. Antes porém, tem seus pés quebrados rotineiramente quando as gaiolas superlotadas são jogadas ao chão nos mercados de animais.O sofrimento imposto a esses animais é algo indescritível.







Os cães são caçados pela policia, imobilizados e abatidos de forma cruel em nome de um suposto controle de zoonoses. Recentemente, uma epidemia de raiva se espalhou em algumas províncias da China.O governo autorizou a matança em massa da população canina. Nem mesmo aqueles animais que possuíam donos e estavam vacinados foram poupados. Animais foram mortos a pauladas ou enforcados na frente de seus donos. Mais de 500 mil cães foram assassinados.




Os ursos, sofrem uma vida inteira de dor enquanto são mutilados cirurgicamente e ordenhados todos os dias para a extração de sua bílis. Os ursos vivem em jaulas apertadas durante toda sua existência, sentindo dores horríveis, definhando até a morte, devido ao catéter que é introduzido em suas vesículas para a extração da bílis que é usada na produção de afrodisíacos e remédios "milagrosos".




Milhares de tubarões são mortos todos os anos para abastecer o gosto chinês pela sopa de barbatana de tubarão.Os tigres são criados e mortos para que sua carne considerada exótica, seja servida em alguns restaurantes. Pênis e olhos de tigre são considerados eficientes afrodisíacos assim como o pênis do cão, do tubarão, para nomear somente alguns de uma lista infinita.



Chineses adoram pênis!


TODOS os animais são considerados não mais do que 'produtos' para serem usados e mortos da maneira mais monstruosa possível.

Animais domésticos, como também vacas, galinhas e coelhos, são jogados vivos nos recintos dos leões e tigres em jardins zoológicos e servidos como alimento. Funcionários do zoológico incentivam os convidados a comprar animais para oferecer aos predadores. Este espetáculo macabro é visto por turistas que se deliciam com as cenas de horror, devidamente acomodados em ônibus próprio para este "entretenimento".




Os cérebros de macacos vivos são considerados uma iguaria.Um "gourmet" pode escolher o exemplar no restaurante e pedir ao cozinheiro que prepare seu prato. Os macacos vivem em gaiolas e são forçados a beber vinho feito de arroz até ficarem intoxicados. Então, são retirados da gaiola e tem seu corpo imobilizado. Recebem golpes de martelo na cabeça e seu crânio é aberto para a retirada de seu cérebro que é servido ainda quente. É comum escolher seu prato enquanto vivo.

Comprar e comer animais raros é uma prática comum na China. O povo acredita que comendo animais exóticos , serão dotados de bravura, terão vida longa e proezas sexuais.


Os chineses comem qualquer coisa que se mova na frente deles!


Os chineses tiveram 5 mil anos para evoluir mas escolheram perpetrar alguns dos atos mais hediondos de crueldade contra os animais.

Esta sociedade antiga de 1.3 bilhão de habitantes parece não ter nenhuma compaixão com seres sencientes. A crueldade tem que ser combatida a qualquer preço. A maneira mais eficaz de forçarmos uma mudança de atitude em relação aos animais só será alcançada se provocarmos grandes perdas econômicas ao governo chinês. Todas as exportações da China devem ser alvejadas pelo boicote.


Junte-se ao BOICOTE MUNDIAL contra os jogos olímpicos de Pequim, turismo e produtos chineses.


BOICOTE A CHINA JÁ

assine a petição:


13 de ago de 2007

SADISMO CHINÊS



Vacas, galinhas, coelhos, são jogados vivos nos recintos dos leões e tigres para "entretenimento" dos visitantes do jardim zoológico. Os funcionários do jardim zoológico incentivam os convidados a comprar animais para alimentar os predadores. Todos devidamente acomodados em ônibus preparados para que as pessoas possam arremessar galinhas e outros animais às feras.

11 de ago de 2007

A CHINA QUE O GOVERNO TENTA ESCONDER

















A China não cumpriu a promessa de melhorar a situação dos Direitos Humanos antes da realização dos Jogos Olímpicos de 2008, e agora resta pouco tempo para isso, afirma a organização Anistia Internacional em um comunicado.

http://esportes.terra.com.br/interna/0,,OI1812722-EI2242,00.html

Segundo a Anistia Internacional, as principais violações dos direitos humanos na China são a existência de pena de morte, discriminação contra as mulheres, campos de trabalhos forçados e tortura, prisão de jornalistas e internautas. Segundo a organização, a China executa ao ano mais pessoas do que todos os outros países do mundo juntos -seriam quase 10 mil pessoas ao ano, número que Pequim não comenta.
A violação dos direitos humanos estende-se ainda à liberdade de expressão e crença. De acordo com organismos internacionais, milhares de pessoas são presas por expressar sua opinião de forma pacífica e por prática religiosa. Além disso, o Estado comunista é unipartidário.
O que esperar do tratamento dispensado aos animais?
Na China cães e gatos são fervidos, afogados, estrangulados, envenenados, eletrocutados, para a retirada de suas peles e o comércio de sua carne. Antes porém, tem seus pés quebrados rotineiramente quando as gaiolas superlotadas são jogadas ao chão nos mercados de animais.
O sofrimento imposto a esses animais é algo indescritível.
Veja os vídeos abaixo:

http://www.youtube.com/watch?v=ys6o0GvzHQI&mode=related&search=
http://www.youtube.com/watch?v=WDTtWGsm1UA&mode=related&search=
http://www.youtube.com/watch?v=bk3dnugI1yk&mode=related&search=

Os cães são caçados pela policia, imobilizados e abatidos de forma cruel em nome de um suposto controle de zoonoses. Recentemente, uma epidemia de raiva se espalhou em algumas províncias da China.
O governo autorizou a matança em massa da população canina. Nem mesmo aqueles animais que possuíam donos e estavam vacinados foram poupados. Animais foram mortos a pauladas ou enforcados na frente de seus donos. Mais de 500 mil cães foram assassinados.


http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2006/08/060804_chinacachorrosrw.shtml

Os ursos, sofrem uma vida inteira de dor enquanto são mutilados cirurgicamente e ordenhados todos os dias para a extração de sua bílis. Os ursos vivem em jaulas apertadas durante toda sua existência, sentindo dores horríveis, definhando até a morte, devido ao catéter que é introduzido em suas vesículas para a extração da bílis que é usada na produção de afrodisíacos e remédios "milagrosos".

http://www.youtube.com/watch?v=6NKDdi1Fuls
http://www.youtube.com/watch?v=D7SC5ksEJKw

Milhares de tubarões são mortos todos os anos para abastecer o gosto chinês pela sopa de barbatana de tubarão.
Os tigres são criados e mortos para que sua carne considerada exótica, seja servida em alguns restaurantes. Pênis e olhos de tigre são considerados eficientes afrodisíacos assim como o pênis do cão, do tubarão, para nomear somente alguns de uma lista infinita.

Chineses adoram pênis!

TODOS os animais são considerados não mais do que 'produtos' para serem usados e mortos da maneira mais monstruosa possível.

Animais domésticos, como também vacas, galinhas e coelhos, são jogados vivos nos recintos dos leões e tigres em jardins zoológicos e servidos como alimento. Funcionários do zoológico incentivam os convidados a comprar animais para oferecer aos predadores. Este espetáculo macabro é visto por turistas que se deliciam com as cenas de horror, devidamente acomodados em ônibus próprio para este "entretenimento".

http://www.youtube.com/watch?v=zM_JO4lDKtc&mode=related&search=
http://www.youtube.com/watch?v=kJ-bFRL_VWo

Os cérebros de macacos vivos são considerados uma iguaria.
Um "gourmet" pode escolher o exemplar no restaurante e pedir ao cozinheiro que prepare seu prato. Os macacos vivem em gaiolas e são forçados a beber vinho feito de arroz até ficarem intoxicados. Então, são retirados da gaiola e tem seu corpo imobilizado. Recebem golpes de martelo na cabeça e seu crânio é aberto para a retirada de seu cérebro que é servido ainda quente. É comum escolher seu prato enquanto vivo.
Comprar e comer animais raros é uma prática comum na China. O povo acredita que comendo animais exóticos , serão dotados de bravura, terão vida longa e proezas sexuais.

Os chineses comem qualquer coisa que se mova na frente deles!

Esta sociedade antiga de 1.3 bilhão de habitantes parece não ter nenhuma compaixão com seres sencientes. A crueldade tem que ser combatida a qualquer preço. A maneira mais eficaz de forçarmos uma mudança de atitude em relação aos animais só será alcançada se provocarmos grandes perdas econômicas ao governo chinês. Todas as exportações da China devem ser alvejadas pelo boicote.


Junte-se ao BOICOTE MUNDIAL contra os jogos olímpicos de Pequim, turismo e produtos chineses.
BOICOTE A CHINA JÁ


assine a petição:


http://www.thepetitionsite.com/takeaction/395884823



10 de ago de 2007

Veganismo - uma questão de plena consciência



Por Fátima Borges

Ainda hoje, surpreendo-me com o espanto que muitas pessoas demonstram quando declaro ser vegan (uma classe de vegetarianos que não consome produtos ou alimentos de origem animal). Tenho a impressão de que pensam estar lidando com uma extraterrena, até me questionam como vivo sem comer carne! Na verdade, penso que eu é quem deveria estar questionando em como podem comer cadáveres? Mas não o faço, até porque sei que os questionamentos são oriundos da má informação, da ignorância e da falta de conscientização que levam ao terrível conceito de que “não podemos viver” sem comer a carne, consumo tão incentivado nas prateleiras dos açougues, dos supermercados e pela mídia.

Confesso que ao me tornar vegan, de início, achei muito trabalhoso ficar lendo os rótulos dos produtos nos mercados para selecionar os produtos que não tivessem ingredientes de origem animal. Mas movida pela determinação de não ser cúmplice dos assassinatos cruéis com os animais e de não contaminar mais meu organismo com os diversos venenos embutidos nos alimentos, segui em frente.

Milhares de pessoas, mundo afora, já aboliram a carne de seus pratos após tomarem conhecimento dos poderosos venenos utilizados na criação de gados e afins, e com isso, estão preservando a saúde de si próprias e a do planeta, já que aos poucos, a conscientização de que a pecuária é uma das maiores culpadas pela degradação do meio ambiente e de que será no futuro próximo a grande causadora da falta de água potável também, vai tomando vulto, finalmente. Inclusive, já foi constatado, tecnicamente, que o desmatamento de áreas imensas para o cultivo de grãos para o gado e para seu pasto poderiam muito bem serem utilizadas para o cultivo de alimentos para matar a fome das crianças famintas do planeta!

Infelizmente, não se faz um trabalho de esclarecimento para a população que ainda pensa que só a carne é capaz de torná-la saudável; ledo engano, é justamente o contrário! Várias doenças graves estão ligadas diretamente ao consumo da carne! É preciso que a grande população saiba que os vegetais, as leguminosas, os cereais e as frutas são os maiores responsáveis por uma saúde equilibrada e onde podemos encontrar em abundância os elementos principais para uma vida sadia, pois proteínas, carboidratos, lipídios, vitaminas, sais-minerais, fibras e muito mais são encontradas fora da carne. Os alimentos derivados do trigo, como, por exemplo: o pão e o macarrão são fontes de proteínas, carboidratos, vitaminas, ferro, zinco, além das fibras vegetais. Diria: bom, bonito e barato!

Se observarmos o porte dos bois, dos elefantes e dos cavalos veremos que não é a carne que os faz tão majestosos. Todos são vegetarianos! Se você quer adquirir proteína, consuma, além dos alimentos citados acima, o grão de bico, o arroz, o feijão, a soja, o amendoim, o brócolis, a batata, o pão, o espinafre, as leguminosas, aveia, etc. As proteínas existem em fartura na natureza! Não é necessário ser conivente com a morte de outros seres vivos para continuar vivendo. Se todos tivessem a chance de ver como esses animais vivem e são abatidos, tenho certeza de que a visão de suas tripas ensangüentadas e de seus gritos de dor, enquanto pendurados, retalhados e queimados fariam o ser humano abolir definitivamente a morte de seus pratos!

Hoje, quase 6 anos após a minha determinação de não viver à custa do sofrimento de outros seres, sento à mesa com muita satisfação, pois ser vegan, para mim, é uma questão de solidariedade ao próximo - homem ou animal. É uma questão de respeito às gerações futuras, é contribuir para a erradicação da fome no planeta, é proteger o meio ambiente e, sobretudo, livrar os animais das barbaridades que lhes são impostas em nome da ganância e da insensatez humana!

A autora, Fátima Borges, é vice-presidente da ONG Defesa Animal e Ambiental com Apoio Jurídico (DAAJ).


BOICOTE A CHINA

























Hi Friends,

I have just read and signed the petition:

"BOYCOTT CHINA!...END ITSANIMAL TERROR!!"

Please take a moment to read about this important issue, and join me insigning the petition.

It takes just 30 seconds, but can truly make adifference.



Faltam 365 dias para o começo das olimpíadas de Pequim.
Pelos animais que são brutalmente mortos para a retirada de suas peles.



Junte-se ao Boicote Mundial contra os jogos olímpicos, turismo e aos produtos chineses.
Assine a petição

27 de jul de 2007

CÂMARA DE GÁS























A câmara de gás foi um dos métodos utilizados pelos alemães na II Guerra Mundial para a eliminação em massa de seus prisioneiros nos campos de concentração.
Na grande maioria dos CCZs, o mesmo método bárbaro e cruel é usado para eliminar cães e gatos sadios.
Os animais aguardam a morte por mais de 48 horas. Estão estressados e angustiados pois pressentem que irão morrer.
A morte ocorre de maneira lenta e apavorante durante alguns minutos, através da inalação de gases emitidos por um motor de carro.
Muitos animais saem vivos ainda, não estão mortos, e são abatidos a pauladas.
ISTO NÃO É CONTROLE DE ZOONOSES
ISTO É ASSASSINATO!

25 de jul de 2007

MATA-SE INDISCRIMINADAMENTE


Sob o falso pretexto de prevenir zoonoses, as prefeituras abatem centenas de animais todos os dias sem que nenhum exame ou diagnóstico seja feito em qualquer um deles. Os animais são abatidos simplesmente por existirem. Estima-se que 90% dos animais mortos pelos CCZs estejam saudáveis, isto é, não são portadores de doenças infecto - contagiosas que coloquem em risco a vida humana.
ISTO NÃO É CONTROLE DE ZOONOSES!
ISTO NÃO É EUTANÁSIA!
MATA-SE INDISCRIMINADAMENTE!

24 de jul de 2007

MERCADO DE CÃES PARA CONSUMO NA CORÉIA DO SUL


















Ativistas protestam pelos direitos dos animais em Seul, na Coréia do Sul, onde há o costume de se comer cachorros.

14 de jul de 2007

LIVRE ARBÍTRIO























Todos os anos, milhões de animais são mortos em testes de laboratório para que determinado produto seja disponibilizado aos consumidores. Esses animais são desnecessariamente queimados, envenenados, eletrocutados, afogados, privados de sua alimentação e comportamento natural e forçados a ingerir substâncias tóxicas.
A sua compaixão pelos animais é o início de uma mudança necessária.
NÃO compre produtos testados em animais.

9 de jul de 2007

DEPOIMENTO DE UM MÉDICO


"Eu comprei dois chimpanzés machos de uma fazenda de criação na Holanda. Eles viveram em jaulas separadas, uma perto da outra, por muitos meses, até que usei um deles como doador (de coração). Quando nós o sacrificamos em sua jaula, em preparação para a cirurgia, ele gritava e chorava incessantemente. Não achamos o fato significante, mas isso deve ter causado grande trauma no seu companheiro, pois quando removemos o corpo para a sala de operação, o outro chimpanzé chorava copiosamente e ficou inconsolável por dias. Esse incidente me tocou profundamente. Eu jurei nunca mais fazer experimentos em criaturas tão sensíveis." (Dr.Christian Barnard, médico responsável pelo primeiro transplante de coração em humanos.)

8 de jul de 2007

APESAR DOS PROTESTOS...

















A modelo Cassia Ávila posa para a coluna com casaco de pele de raposa da marca italiana Monica Rindi, à venda por R$ 18.980
Coisa de pele
Mônica Bergamo - bergamo@folhasp.com.br
Há pouco mais de um mês, contêineres com peças feitas de pele de animais, que deveriam abastecer a Daslu, ficaram parados em navios na Europa. O motivo foi a greve do Ibama no Brasil. Sem fiscais para liberar o certificado exigido para a venda dos produtos, eles não podiam entrar no país. Para não deixar os cabides pelados, a loja levou seu estoque às prateleiras. Mesmo num país como o Brasil, onde as médias de temperatura estão longe de convidar ao uso de roupas quentes, os casacos têm seu público. "A pele ainda é um símbolo de luxo", diz a consultora Gloria Kalil. "Hoje os animais são criados para o uso da pele e se respeitam regras para a produção. Não há mais mortes cruéis. É como criar uma vaca ou galinha: você mata para consumo."
A maior parte das consumidoras, afirmam representantes de grandes grifes, compram e usam seus casacos de pele no exterior. Assim, as lojas oferecem poucos produtos -e caros. As irmãs Renata e Fernanda Boghosian, que representam Versace e Cavalli no Brasil, por exemplo, trazem no máximo duas peças por ano ao país. E elas podem custar até R$ 30 mil. O modelo de pele de raposa da marca italiana Monica Rindi está à venda por R$ 18.980 na Daslu. A jaqueta Matthew Williamson de pele preta de coelho custa R$ 4.480. O casaco de pele de coelho da Mixed sai por R$ 6.750,00. O casaco da Pollignanno Al'Mare, de pele de ovelha com gola de raposa, custa R$ 3.300.
"Nossos clientes são super AA. Estão sempre indo para a Europa e EUA. É quando usam as peles", diz Fernanda Kujawski, gerente de marketing da grife. A maior parte dos casacos não entra nas liqüidações do mês de julho. Uma das raras exceções ocorre nas araras da Mixed, que trouxe 70 peças da Itália. A loja está em liquidação progressiva e quem comprar quatro peças pode ter desconto de até 50%.
Nada parecido com o que acontece nos EUA ou em países europeus, onde um casaco de marta custa U$ 150 mil. Nos anos 90, um casaco feito com pele de barriga de lince russa foi vendido por U$ 250 mil, registra o site Furs.com. De acordo com a International Fur Trade Federation, que reúne produtores e distribuidores de peles, há oito anos o setor cresce: os consumidores levaram para seus armários U$ 13,49 bilhões em peles em 2006 -em 2000, foram U$ 9 bilhões.
Segundo organizações de proteção aos animais, para a confecção de um casaco de pele de marta são mortos de 40 a 60 animais. Para um casaco de pele de chinchila são sacrificados até 200 bichos da espécie. A organização ambiental PETA e a estilista Stella McCartney, que combate o uso de peles na moda, comandará no dia 12 o primeiro protesto virtual contra o produto, dentro do jogo Second Life. Mas, mesmo com os protestos dos ambientalistas, de ampla repercussão, dificilmente uma grande marca não exibe peles em suas criações.Burberry, Cavalli, Marc Jacobs, Michael Kors, Julien Macdonald, Prada e Louis Vuitton são exemplos. No ano passado, Jean Paul Gaultier colocou na passarela uma modelo com um casaco com diversas cabeças de raposa penduradas.
No Brasil, poucas usuárias de pele se animam a falar sobre o assunto, alegando temer a "represália" de ambientalistas. No ano passado, a atriz Íris Bruzzi se viu no centro do furacão ao dizer que não estava "nem aí se mataram o bichinho". "Tive tanto aborrecimento que vendi meus dois casacos para uma amiga americana", diz. A socialite Beth Szafir é exceção. "No Brasil, uso no máximo xale com pele na gola. Tenho um casaco Dior maravilhoso, mas só uso para viajar", diz. "Ninguém dá muita bola [para os ambientalistas]. Todo mundo usa."

ROTINA DE UM CCZ























Caçado nas ruas como um marginal
Sente medo, solidão, fome, sede e dor
Implora carinho, comida
Implora pela própria vida
Capturado pelo CCZ
Se não for adotado
Será assassinado do 3o. dia

Esse é o destino de milhares de cães que perambulam pelas ruas das grandes metrópoles.
Sob o disfarçe de "eutanásia", assassinatos legalizados são praticados todos os dias nos CCZs.
Somente na Cidade de S.Paulo, entre 30 e 50 cães sadios são mortos todos os dias.

PELO FIM DA MATANÇA DE ANIMAIS SADIOS NOS CCZs

5 de jul de 2007

CCZ - AQUI A VIDA TERMINA























CCZ = Lugar onde o ASSASSINATO LEGALIZADO é praticado sob o nome de eutanásia.

EUTANÁSIA = procedimento que antecipa a morte de um doente incurável, para lhe evitar o prolongamento do sofrimento e da dor;

Óbviamente não é isso que ocorre num CCZ

PELO FIM DA MATANÇA DE ANIMAIS SADIOS NOS CCZs

2 de jul de 2007

MASSACRE DE CÃES CORÉIA DO SUL E CHINA

BOICOTE OS JOGOS OLÍMPICOS DE PEQUIM






















INTERNATIONAL ANTI-FUR COALITION
Seremos a Voz de milhões de cães, gatos e outros animais que são esfolados vivos na China para a retirada de suas peles.
Não podemos deixar que o passado se repita. Vamos aproveitar a chance para provar que não vamos mais ficar em silêncio novamente.
Por duas semanas em agôsto de 1936, a ditadura nazista de Hitler camuflou seu racismo e caráter militarista enquanto sediava as olimpíadas de verão. Implantando aos poucos sua pauta e planos anti-semitas para expansão territorial, o regime explorou os jogos para deslumbrar muitos espectadores e jornalistas estrangeiros com uma imagem de uma Alemanha pacífica e tolerante.
Tendo rejeitado a proposta de boicote das olimpíadas de 36, os Estados Unidos e outras democracias do ocidente perderam a oportunidade de tomar uma posição - alguns observadores da época pediram - de forma que deram uma pausa e apoiaram a resistência internacional à tirania nazista.
Com a conclusão dos jogos, a politica expansionista da Alemanha e a perseguição dos judeus e outros inimigos do estado aceleraram, culminando na 2ª guerra mundial.
Vamos nos unir ao esforço global para por um fim a todos os abusos cometidos contra os animais daquele país.
BOICOTE OS PRODUTOS CHINESES
BOICOTE AS OLIMPÍADAS DE 2008 EM PEQUIM