5 de set de 2006

VIVISSECÇÃO: UM DIA DE AULA PRÁTICA






















Para mim todos os dias são iguais, vivo em uma cela aqui do biotério, aonde nos servem ração e água, fico esperando por um afago ou que alguém venha brincar comigo. Quando um dos auxiliares entra para encher meu pote de ração abano o rabo e tento receber um carinho em troca, mas esses homens me olham com indiferença e logo saem da minha cela.
Hoje porém o dia começou diferente, um dos auxiliares entrou e disse que eu e meu colega da cela ao lado iríamos dar um passeio, me sinto um pouco mais alegre, o dia está bonito e entramos em um carro para fazermos o tal passeio.
O passeio não dura muito, e logo o carro estaciona e o auxiliar nos pega pela coleira, entramos em uma sala toda branca e limpinha, cheia de humanos jovens que escutam atentamente ao que um outro mais velho diz.
De repente pegam o meu companheiro e o colocam em uma mesa, nos olhamos e parece que pela primeira vez iremos receber um carinho, pois muitos daqueles humanos jovens começam a passar as mãos em meu amigo.
Eu estou amarrado em uma mesa ao lado assistindo ao que está acontecendo e aguardando a minha vez de receber carinho. Mas.........percebo que dão uma injeção em meu amigo que parece não gostar nada daquilo, enquanto isso um outro humano se aproxima com algo que parece ser uma faca e começa a fazer um corte na garganta de meu amigo. O humano mais velho diz a eles que hoje terão uma aula sobre o funcionamento da traquéia animal e dá o primeiro corte.
Não consigo acreditar no que estou vendo, a garganta de meu amigo sendo aberta enquanto vários humanos estão em cima dele e mal consigo enxergar o que está acontecendo. Alguns minutos depois ouço o humano mais velho dizer que aquela parte da aula estava terminada e que podiam dispensar o cadáver. Meu amigo é então colocado em um saco de lixo e levado para fora.
A essa altura já estou com muito medo e tento fugir sem conseguir me soltar das amarras que me prendem à mesa.
Nesse momento o homem mais velho que chamam de professor diz que o próximo estudo será sobre o funcionamento dos pulmões, olha para mim e pede que um dos mais jovens venha me buscar, tento fugir mais uma vez sem conseguir..., sei que algo vai acontecer comigo e percebo que não vai ser bom, mas... mesmo assim o meu instinto me impede de morder esse jovem vestido com seu avental branco. Olho para ele como que suplicando que não me faça mal. É nesse momento que recebo uma injeção igual à que meu amigo havia tomado e vou me sentindo mole, a vista ficando escura até que não vejo mais nada.
Autor: Erico Mabellini
Para ler um pouco mais sobre o assunto clique no link abaixo:
http://www.tribunaanimal.com/vivisseccao.htm

Um comentário:

Mancholas disse...

Assassinos!!!!!! Estou farta destes idiotas