28 de jul de 2006

Earthlings (Terráqueos) - Português (Legendado)

ATUALIZAÇÃO: VERSÃO COMPLETA (95 minutos)

EARTHLINGS (Terráqueos) é um documentário sobre a absoluta dependência da humanidade em animais (para companhia, comida, roupa, entretenimento, e pesquisa científica) mas também ilustra nosso completo desrespeito por estes chamados "provedores não-humanos." O filme é narrado pelo indicado ao Oscar Joaquin Phoenix (GLADIADOR) e apresenta música pelo artista de platina renomado pela crítica Moby.

Com um estudo profundo em pet shops, fábricas de filhotes e abrigos de animais, como também em fazendas industriais, o comércio de couro e de peles, as indústrias de esportes e entretenimento, e finalmente a profissão médica e científica, EARTHLINGS usa câmeras escondidas e imagens nunca antes vistas para demonstrar as práticas cotidianas de algumas das maiores indústrias do mundo, todas as quais dependem totalmente em animais para lucro. Poderoso, informativo e provocador, EARTHLINGS é de longe o documentário mais compreensível já produzido na correlação entre a natureza, animais, e os interestes econômicos humanos. Existem muitos filmes valiosos de direitos dos animais, mas este transcende o cenário. EARTHLINGS grita para ser visto.

“Se eu pudesse fazer com que todos no mundo vissem um filme, eu os faria ver EARTHLINGS.”
-Peter Singer, autor Libertação Animal

27 de jul de 2006



Rio de Janeiro to Vote on Animal Research Ban
City Counselor Claudio Cavalcanti has introduced an historic bill in Rio de Janeiro that could make animal experimentation illegal within the Brazilian city. Please "Take Action" to urge members of the Rio de Janeiro City Council to support this precedent-setting animal rights measure. Also tell a friend about this issue to spread the word and donate to IDA so that we can continue our important work for animals.

Animal experimentation is both cruel to its non-human victims and ineffective in finding treatments and cures for human diseases. Animals are forced to endure inconceivable tortures in the name of medicine, yet the actual results of this research often lead to false conclusions.
Meanwhile, much progress is being made in the search for humane and cost-effective research methods that yield results far more applicable to humans. Money that is now used to fund cruel animal experiments could be better invested in technologies such as in vitro analysis, cell imaging, epidemiology, computer simulators, videos and mathematical modeling, genetic and protein analysis, clinical research, human brain mapping technologies, autopsy/biopsy studies and advanced MRI imaging.
Please help end the suffering of animals and advance scientific knowledge by supporting Councilman Cavalcanti's important bill.
Thank you.
http://ga0.org/campaign/Rio



















http://www.accaoanimal.com/site/
PELES: O ÚLTIMO GRITO DA MODA

26 de jul de 2006

CRUELDADE SEM LIMITES
MADE IN CHINA


Reuters - Mundo
Quarta, 26 de julho de 2006, 09h48 Atualizada às 09h51
Sul Coreanos protestam contra consumo da carne de cães


Um grupo de pessoas realizou um protesto nesta terça-feira contra o sacrifício de cachorros, em Seul, na Coréia do Sul, onde é comum se comer a carne do animal.

ATÉ NA CORÉIA DO SUL TEM GENTE QUE NÃO CONCORDA COM O TRATAMENTO DISPENSADO AOS ANIMAIS.



25 de jul de 2006

















BOYCOTT CANADA

We arrived in Halifax on the afternoon of March 1st and then took a short flight on to Charlottetown, Prince Edward Island. On the plane we met a representative from the Canadian Department of Fisheries & Oceans, who tried to persuade us about the arguments for retaining the seal hunt. He told us that it was an economic necessity for the people in the area and gave us a few other 'facts'. Fortunately we had read up on the situation and we had a long discussion with him and listened fully to all his points but finally had to tell him that we felt that none of these reasons added up to the retention of the brutal seal hunt. It was good however to at least hear the other side of the story.
On arrival, Heather and I were met by representatives from Respect for Animals and the Humane Society of the United States, who had organised this trip to visit the harp seals on the ice floes. The purpose of our trip was to raise awareness about the plight of the seals, as at this time of year hunters take part in a massive cull in which many baby seals are clubbed and shot to death for their fur.
Soon after our arrival, we had a briefing session with Respect for Animals and the Humane Society, who told us that this was the largest and most brutal marine mammal hunt on the planet, and that almost one million seals had been killed in the last three years. 97% of those seals were less than three months of age, and most of them just a few weeks old, still not old enough to have taken their first swim, or eaten their first solid meal.
The next day we took helicopters out to the ice floes. It was absolutely freezing, with a wind chill of minus 30 degrees, but we were wrapped up in special thermal suits to combat the cold. We also found some thermal hand warmers, which we managed to put inside our gloves and our boots. All around us were the beautiful harp seals and their baby seal pups, which we would defy anyone to be able to see up close and condone what is happening out there. It was heartbreaking to think that in a short time many of them will be clubbed to an untimely death. The good thing was that we had got the media out there and were surrounded by photographers & cameras, all wanting to get a piece of the action.
After spending three hours on the ice, talking to journalists, having our photographs taken, lying on the ice watching the pups with their mums, and taking in the breathtaking scenery, it was time to leave. As the helicopter took off, we looked out over the vast expanse of ice below. It was so very sad, and we sat in silence for a while, just thinking of what was to come, how the ice would soon be turned red with their blood. Then it was back to Charlottetown for debriefing and dinner with our Respect for Animals and Humane Society colleagues, during which we all agreed that this barbaric practice must be stopped once and for all. The next morning we all met up for a further de-briefing session, during which we discussed what our strategy should be. That day Heather and I did an interview for the Larry King Show with Danny Williams, the Premier of Newfoundland, who came up with some comments that we found rather strange, including a reference to the FBI having a file on the animal awareness group PETA and the suggestion that they were considered to be terrorists, which having known them for many years we found ludicrous. He didn't deter us however.
One of the things that I most remember from the trip is that literally the first thing we saw on reaching that part of the world was a newspaper article, in which a 70 year-old fisherman said something like "We don't want these people coming here. All they will do is have their pictures taken with the seals and say that they are cute and then say that seal hunting is cruel. Well, it is cruel..but we have been doing it for 500 years so it is right". We couldn't believe that he was condemning it out of his own mouth!
In summary, our feelings are that a 500 year old tradition is absolutely no excuse for continuing to kill these beautiful animals. We were also struck by the fact that, despite arguments to the contrary, these seals don't deplete the cod resources - in fact they form a crucial part of a delicate eco-system and actually eat many of the cod predators. Many people agree that it's actually man's over-fishing that is the problem. Unfortunately, as we suspected, the seal hunt has gone ahead and around 91,000 of these beautiful creatures have been battered to death (with 235,000 more due to be killed this week) and the voices of the world have once again been raised against Canada and this brutal practice.
In general we have had some great feedback and feel that we have successfully raised awareness about this important issue. We would now like to set up an ongoing appeal and debate through this website to involve all of you and find out what you think. So let's talk! We want to hear your views. It doesn't matter if you agree or disagree with us - it's just important to keep talking about issues such as this. We feel that the more information we are able to give people, the more we believe our case will be proved. Please join us in speaking out about this terrible seal hunt and perhaps together we will be able to persuade the Canadian Government that the majority of Canadian people want this to stop.
We contacted Tony Blair's office about the seal hunt and received the following encouraging reply:"The British Government is opposed to the current seal hunt in Canada. The Canadian Government is fully aware of the UK Government's position. We would prefer it if all seal hunting for commercial purposes were banned and we raise our opposition to the hunt with the Canadian Government as appropriate."























www.boycott-canada.com
www.protectseals.org
www.respectforanimals.org
www.hsus.org



Revista Época entrevista com o cardiologista John Pippin
O americano é membro do Physicians Committee for Responsible Medicine, grupo de médicos contrários aos experimentos científicos com animais
Época: O senhor já fez pesquisas com animais?
John Pippin: Sim. Em 1986 e 1987, trabalhei com cães na Universidade do Texas, dentro do Southwestern Medical Center.
Época: Como se tornou contrário aos experimentos com animais?
John Pippin: Analisando a pesquisa que eu estava fazendo e estudando as pesquisas que outros fizeram, decidi que aquilo não era certo. Troquei minha pesquisa por um estudo feito em humanos e desde então nunca mais trabalhei com animais. Mas minha oposição aos testes de drogas em animais se desenvolveu algum tempo depois, quando comecei a entender que os métodos usados para aprovar as drogas não preveniam que elas fossem perigosas às pessoas. Os testes feitos em animais não prevêem, de forma razoável, o que vai acontecer quando você der a mesma droga a uma pessoa. Então por que usar animais? Desde então tenho tentado promover outros métodos de pesquisas que não usem bichos.
Época: Por que os testes são ineficazes?
John Pippin: Vou dar um exemplo. O LD-50 (lethal dose) um teste usado em animais para testar drogas e existe há muitos anos. O teste consiste em intoxicar vários roedores para ver a quantidade necessária de uma substância para matar metade dos animais de um experimento. O teste busca determinar qual dose deve ser segura para as pessoas tomarem. E não funciona. Doses que podem ser perigosas para animais não fazem mal a humanos, e o contrário acontece também. A OECD (Organization for Economic Co-operation and Development) uma organização que reúne 30 países, inclusive os EUA e União Européia, removeu suas recomendações para o LD-50, dizendo que ele não era mais necessário. Mesmo assim, muitas empresas ainda utilizam esse teste em seus remédios. O Botox (toxina botulínica, usada em tratamentos estéticos), por exemplo, ainda é testado com LD-50, para verificar se o produto é uma neurotoxina, que prejudica o sistema nervoso.
Época: É possível ter bons resultados em testes que não usem bichos?
John Pippin: Há muitos testes aprovados para analisar os efeitos das drogas na pele, nos olhos. Nos últimos 20 anos testes feitos em animais têm sido substituídos, e com o tempo o número de animais usado em pesquisas médicas caiu tremendamente. Nos anos 70, a estimativa era de que as pesquisas consumiam 40 milhões de animais. Esse número caiu para de 20 a 22 milhões. Mas o uso de animais geneticamente modificados, geralmente camundongos, têm aumentado nos últimos anos. Os testes com animais têm sido tão ruins em prever os efeitos das drogas que os pesquisadores estão começando todo um novo campo de pesquisa em animais, em vez de substituí-las por outros métodos.
Época: Por que tantos pesquisadores dizem que os testes animais de remédios são cruciais? John Pippin: O argumento deles é o seguinte: nós sabemos que os testes em animais não são seguros, mas eles existem há mais de 50 anos e não há testes melhores. O problema é que o modelo animal tem estado em voga por tanto tempo que os cientistas estão muito acostumados e poucos estão dispostos a mudar, a não ser que você mostre a eles que há métodos melhores. De fato há testes em animais para os quais não foram desenvolvidas alternativas. Mas, se você tem um método para identificar drogas, e esse método está falhando, pois só funciona em 10% dos casos, então por que usá-los? Lembre-se de que não há tantos pesquisadores preocupados com testes de drogas – são as companhias farmacêuticas e os médicos que trabalham para elas, da agência regulatória americana, o FDA, que dizem que os animais são necessários para os testes de medicamentos. As empresas só se preocupam em ter seus remédios aprovados.
Época: É possível abolir os testes em animais hoje? Ou precisamos de testes alternativos mais confiáveis?
John Pippin: Penso que devemos eliminar os experimentos com animais e fazer a substituição de forma bem rápida, desenvolvendo as alternativas que ainda não existem. Mas isso não vai acontecer, pois agências regulatórias como o FDA não vão eliminar os testes com animais se não tiverem algo para colocar no lugar. A solução prática é estabelecer um compromisso dos governos semelhante ao da União Européia, que aprovou o banimento dos testes de cosméticos com animais e exigiu que as indústrias os eliminassem por completo até 2009.
No Rio de Janeiro, os deputados aprovaram um projeto de banimento(vetado pelo prefeito César Maia). Os governos devem forçar os cientistas a desenvolver boas alternativas que substituam as pesquisas com animais.



O diretor geral da Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA), Peter Davies, enviou nesta terça uma carta ao Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Luis Carlos Guedes Pinto, pedindo o cancelamento das exportações de animais vivos para o Líbano. O documento foi entregue à embaixada brasileira em Londres.Por causa da guerra declarada por Israel, na semana passada um navio brasileiro carregado com 1.800 cabeças de gado teve de aguardar três dias em alto-mar até ser redirecionado para um porto na Síria. "Este incidente deve lembrar aos governantes como os conflitos humanos também podem atingir os animais e como governos responsáveis devem reagir nessas situações para evitar mais sofrimentos", diz um trecho da carta. Davies pede ao ministro brasileiro que suspenda futuros carregamentos para o Oriente Médio, prevenindo sofrimentos desnecessários aos animais. A carta lembra ainda que Brasil é membro da Organização Mundial para a Saúde Animal (OIE) e que concordou em estabelecer diretrizes para assegurar o bem-estar dos animais nos transportes terrestres e marítimos. Segundo a WSPA, o ideal seria que o abate fosse realizado o mais próximo possível dos locais de criação, para evitar o estresse e o sofrimento que as viagens de longa distância costumam causar.A WSPA tem trabalhado no Oriente Médio junto com entidades locais para garantir o bem-estar dos animais que vivem nas regiões afetadas pelo conflito entre Líbano e Israel. O grupo Beirut for the Ethical Treatment of Animals (Beirute pelo Tratamento Ético dos Animais), que cuida de 200 gatos e cães, teve um de seus abrigos destruídos por um ataque de míssil e recebeu ajuda material e humana da organização.




Animal Rights 2006 is the animal rights movement's 25th annual national conference. It is a forum for sharing knowledge, reporting on progress, discussing strategies and tactics, networking, and "recharging our batteries."

Animal Rights 2006 brings our movement together under the banner of animal liberation from all forms of human oppression. All viewpoints & factions that support this goal are welcome (except for attacks on other animal protection activists or organizations and advocacy of injury to living beings).

Animal Rights 2006 reflects America's continuing concern with terror. Indeed, it is dedicated to exposing and challenging the terror perpetrated every day against billions of innocent, sentient nonhuman animals.

Ativistas do grupo Vegan Staff, de defesa dos animais, invadiram a peça "Amiga Para Sempre", sábado, no Teatro Leblon, para protestar contra a atriz Íris Bruzzi, a Guida Guevara da novela Belíssima.

Um rapaz espalhou tinta no palco e outro exibiu o cartaz "Não use peles". O protesto era contra frase de Íris em entrevista ao O DIA: "Adoro casaco de vison. Não estou nem aí se mataram o bichinho."

A ONG Vegan Staff, de defesa dos bichos, também espalhou pelo Rio cartazes contra a atriz.

23 de jul de 2006

A INSANIDADE HUMANA























Ralph Lauren diz não às peles de animais

A Polo Ralph Lauren Corporation já tinha vindo a considerar durante algum tempo a exclusão de peles de animais dos seus artigos e, após uma série de reuniões com a PETA, durante as quais foram exibidos vídeos sobre o comércio de peles de animais na China, finalmente emitiu uma declaração oficial com a sua decisão em não utilizar mais peles de animais. A empresa enviou à PETA uma declaração assinada, na qual reconhece a sua intenção em retirar toda a publicidade a peles de animais, cancelar todas as encomendas pendentes de produtos fabricados com pele de animais e, a partir do lançamento das novas colecções para 2006, não vender mais quaisquer produtos com peles de animais. Doze mil dos novos casacos em pele pertencentes à colecção de Outono de 2006 serão doados a instituições de caridade em países subdesenvolvidos

Victory for animal rights campaigners as Ralph Lauren shuns fur
By David Usborne in New York
Published: 10 June 2006
The footsoldiers in the war against fur in fashion chalked up an important victory when the American clothing giant Polo Ralph Lauren said that it would stop using animal pelts across all of its products, beginning from the Christmas shopping season later this year.
The decision to forgo fur by the New York-based fashion house is a notable coup for animal rights groups, particularly People for the Ethical Treatment of Animals (Peta).
















Touradas continuam a motivar protestos em Portugal
23-07-2006 20:57:00

O confronto entre os movimentos de defesa dos animais e a Casa de Pessoal da RTP (CP/RTP) continuará nos próximos anos por causa da realização das corridas RTP, já que nenhuma das partes se mostra disposta a abdicar.
Seis mil pessoas encheram hoje a Praça de Touros da Póvoa de Varzim para mais uma Corrida RTP Norte, mas como já se tornou tradição sempre que há esta corrida, surgiram os protestos.
No passeio fronteiro à entrada principal, três dezenas de pessoas de sete movimentos de defesa dos animais agrupados na coligação Unidos Contra as Touradas (UCT) insurgiram-se contra o evento, que consideram "um espectáculo de barbaridade e selvajaria".
Indiferentes à polémica, muitos cidadãos acumulavam-se em extensas filas para comprar os bilhetes para a corrida, afirmando a sua "afición", enquanto outros passavam, calmamente, sem se deter rumo à praia.
Luís Santos, técnico de informática de Barcelos, que não quer saber de touradas "para nada", manifestava a sua irritação com a corrida, que lhe tornou a tarefa (já de si normalmente árdua) de estacionar o carro "uma dor de cabeça". Andou às voltas quase uma hora e acabou por deixar a viatura "longíssimo" da beira-mar, disse.
Já António Duarte, bancário ribatejano a residir em Viana do Castelo, que se fazia acompanhar da mulher, três filhos adolescentes e dois casais amigos, teve o cuidado de vir de manhã para a Póvoa, onde comprou os bilhetes antes do almoço, na tentativa, mesmo assim falhada, de evitar as filas.
"Sempre fui aficionado, não perco uma oportunidade de ver uma boa corrida de touros e sou perfeitamente capaz de ir por isso de propósito a Santarém ou a Lisboa. Não podia falhar esta, mesmo aqui ao pé de casa", disse.
A presidente da CP/RTP, Ana Freixo, responsável pela realização do evento, afirmou à Lusa estar "muito satisfeita" com a adesão da população da Póvoa, e fez votos para que a próxima Corrida RTP, a realizar a 06 de Agosto na Figueira da Foz, tenha o mesmo êxito.
"Todos têm o direito de se manifestar contra ou a favor das touradas, mas enquanto a Administração da RTP permitir e eu for presidente da CP/RTP, continuaremos a organizar estas corridas, celebrando esta tradição tão arreigada em Portugal, como demonstra a assistência que aqui temos hoje", disse.
Comentando a questão da crueldade contra os animais, frisou:
"os touros que aqui são lidados têm pelo menos cinco ou seis anos de vida boa em liberdade antes de serem mortos, enquanto os que todos os dias são abatidos em silêncio pela indústria da alimentação vivem um ou dois anos em condições bem piores".
Graça Marto, presidente do Movimento Internacional pela Defesa dos Animais (MIDAS), que integra a UCT, reconheceu que as corridas de touros são uma tradição em Portugal, mas sublinhou que "só as boas tradições são dignas de respeito, as más tradições como esta têm que acabar".
Segundo a presidente do MIDAS, "também as execuções públicas e os autos de fé, assim como os sacrifícios de crianças e de raparigas virgens aos deuses eram tradição em muitas culturas e todos esses costumes bárbaros acabaram porque sempre houve gente que se levantou contra eles e os combateu".
"Não seremos muitos, mas nunca deixaremos de nos manifestar e de mostrar a nossa repulsa pela continuação deste exercício bárbaro de crueldade contra os animais", disse.
António Abel Pacheco, do Movimento Anti Touradas de Portugal (MATP) referiu que a próxima iniciativa da coligação UCT será propor que sejam proibidas as transmissões televisivas de corridas de touros.
"Esta proibição já é um facto em Espanha, país que é considerado como a pátria das touradas, pelo que é tempo que este espectáculo bárbaro também deixe de ser exibido nas televisões portuguesas", disse Graça Marto.
A CP/RTP organiza as corridas RTP há 42 anos em Lisboa e há 10 na Póvoa de Varzim.

Você concorda com a vivissecção,

o uso de animais em pesquisas médicas?

responda a pesquisa acessando:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDU1782-5855,00.html

























VOCÊ CONHECE OS BASTIDORES DA INDÚSTRIA QUE FABRICA O SEU PERFUME PREDILETO?
SABE COMO ELES FORAM TESTADOS?
INFORME-SE ANTES DE USÁ-LOS

The Animal Rescue Site is having trouble getting enough people to click on it daily to meet their quota of getting free food donated every day to abused and neglected animals. It takes less than a minute to go to their site and click on "feed an animal in need" for free. This doesn't cost you a thing. Their corporate sponsors/advertisers use the number of daily visits to donate food to abandoned/n eglected animals in exchange for advertising. (Weight Watchers is one of the sponsors!) Here's the web site! Click on this link, and when the site opens, click on the purple box that says Feed an Animal for free. That's it! Pass it along to peop! le you know.

http://www.theanimalrescuesite.com

PLEASE TELL 10 FRIENDS TO TELL 10 TODAY!!

If you don't have ten friends, make 'em up. Thanks!!

22 de jul de 2006




CCZ aqui a vida termina

Resgate de cães e gatos apreendidos em via pública: Os cães e gatos apreendidos ficam à disposição do proprietário para resgate por um período de três (03) dias úteis (segunda a sábado), a partir da data de apreensão. Após este período, os animais serão eutanasiados. No momento do resgate o animal receberá vacinação contra raiva e será realizado o Registro Geral Animal (RGA). O proprietário deverá recolher taxa referente à multa, transporte, diária do animal e RGA. A vacinação contra raiva é gratuita. Os animais que portam a identificação do RGA têm seus proprietários contactados por telefone ou telegrama, ficando à disposição do proprietário por um período de cinco (05) dias úteis. Após este período, os animais serão eutanasiados.

QUALQUER SEMELHANÇA NÃO É MERA COINCIDÊNCIA

repassando...
Caros amigos

Está disponível na internet, no site da ANVISA, um documento publicado pela FUNASA - Fundação Nacional de Saúde, órgão ligado ao Ministério da Saúde que entre outras coisas financia a construção de Centros de Controle de Zoonoses (CCZs) em convênio com prefeituras. Este documento, referente à Portaria 52/2002 da FUNASA, dá diretrizes para a construção de CCZs e é intitulado "Projetos Físicos de Unidade de Controle de Zoonoses e Fatores Biológicos de Risco".Pode ser baixado de http://www.anvisa.gov.br/reblas/fatores_bio_risco.pdf.

O conteúdo é bastante preocupante e macabro. Vejam o que consta na página 25, onde é descrita uma sala de "eutanásia":"g) Sala de eutanásia é o ambiente destinado à prática de eutanásia em cães e gatos.• acesso restrito aos funcionários;• localizar estrategicamente, próxima aos canis coletivos e individuais, de modo a facilitar a movimentaçãodos animais.Quando for dotada de câmara de gás, considerar:• dimensões da câmara – 1.20m x1.20m x1.20m;• uso de carrinho de 0.90m x 0.90m x 0.90m;• instalação de motor e caixa d’água para resfriamento de gás.Especificações:piso: monolítico de alta resistência ou cerâmica de alta resistência;parede: cerâmica, até o teto;teto: laje rebocada e pintada;"

Gostaria da opinião, em especial dos advogados e promotores ligados à causa animal, sobre a legalidade desta menção na referida portaria, crueldade que nos remete aos campos nazistas da 2ª Guerra Mundial.

Obrigado

Maurício Varallo

masvarallo@gmail.com

Florianópolis/SC

Caso queiram demonstrar o repúdio em relação a tais práticas - como o caso da CÂMARA DE GÁS - o endereço eletrônico do Conselho Federal de Medicina Veterinária é cfmv@cfmv.org.br



PROTESTO MUNDIAL CONTRA A BENETTON (REALIZADO EM. SÃO PAULO)


COMERCIAIS VEGETARIANOS DO "PETA" LEGENDADOS

21 de jul de 2006






















CORÉIA DO SUL
CRUELDADE SEM LIMITES
Na Coréia do Sul, acredita-se que a carne do cão dá aos homens, ereções mais fortes Um cão é arrastado para fora da gaiola, atrás do mercado de Chilsung em Taegu.
Uma haste de metal conectada a um gerador elétrico é colocada em sua boca, e a eletricidade percorre seu corpo. O processo é repetido diversas vezes.
O procedimento inteiro dura uma hora. Sua finalidade é fazer com que o cão secrete neste momento tanta adrenalina quanto possível até a morte. Acredita-se que a carne com adrenalina-rica é um poderoso afrodisíaco, dando aos homens por muito tempo - ereções duráveis. Estima-se em dois milhões de cães mortos e comidos anualmente na Coréia do Sul.

A Dalmatian is dragged out of a cage and into the alley behind Chilsung market in Taegu, South Korea. As a rope tightens around its neck, the dog defecates from shock. A metal rod connected to an electric generator is shoved into its mouth, and electricity surges through its frame. The process is repeated several times. Stunned but not dead, its entire body is seared with a blowtorch to burn off the fur. The whole procedure lasts an hour. Its purpose is to make the dog secrete as much adrenaline as possible at the moment of death. The adrenaline-rich meat is believed to be a powerful aphrodisiac, giving men long lasting erections. Most of the two million dogs eaten annually in South Korea are roasted or prepared as Youngyangtang (healthy soup), and sold for 20,000 won (LL 36,000) per Kg. While the meat spoils quickly if not refrigerated, the erection, legend has it, can last for hours.






















O HOLOCAUSTO DOS ANIMAIS
É REAL
Não feche os olhos para esta realidade:

Free me - http://www.pelosanimais.com/recursos/free_me.php
Hush, hush, hush - http://www.pelosanimais.com/recursos/hush_hush_hush.php
Produção animal - os animais são tratados como meros produtos para consumo
Meet your meat http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=mym2002
O que é o foie gras?http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=foie_gras_long
Chew on this! http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=chew_on_this
Os peixes também sentem dor http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=angling
A vida e morte das galinhas nos aviários
http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=45_days
Produção de galinhas: esperança para os desesperados
http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=cok_chickens
Produção de leite e vitela http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=unhappy-cows
Produção de perús http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=Turkey-farms
Produção de suínos http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=pigfarminv
Mercado de cães/gatos na Coreia Sul http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=mbc
Experimentação animal - descubra o que realmente acontece nos laboratórios
Retirados da África, torturados num laboratório http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=malish
Dissecação no ensino
http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=classroom-cutups
Pesquisa biológica http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=biosearch
Covance: o vídeo banido http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=covance
A crueldade da IAMS http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=iams
Tortura aos primatas na Universidade Columbia http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=columbia_primates
Experiências em gatos filhotes http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=boys-town-inv
Experiências em beagles http://www.petatv.com/tvpopup/video.asp?video=beagle-edit
Macacos no laboratório de Silver Spring
http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=silver-spring-monkeys
Laboratórios da Universidade da Carolina do Norte
http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=unc
Indústria de peles - os animais sofrem horrores e são mortos de maneiras terríveis só para que pessoas egoístas e cruéis possam exibir as suas peles.
Massacre de focas bebês no Canadá http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=canada_seal_hunt
O negócio cruel das peles: um casaco de pele significa uma vida de sofrimento p/os animais
http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=Trapping-and-fur-farms
http://www.petatv.com/tvpopup/video.asp?video=trent_fur&Player=wm&speed=_med
A crueldade por detrás do cabedal
http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=skin-trade-ili
O horror da lã http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=wool
Sabe como são feitas as almofadas, casacos e travesseiros com forro de penas?
http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=down
Abusos aos animais em circos, touradas, rodeios e lutas
http://www.petatv.com/tvpopup/video.asp?video=cheaptricks
Elefantes nos circos (parte 1)http://www.petatv.com/tvpopup/video.asp?video=circuselephants
Elefantes nos circos (parte 2) http://www.petatv.com/tvpopup/video.asp?video=ringling_expose
As touradas são uma tortura sangrenta http://www.petatv.com/tvpopup/video.asp?video=bullfighting-school
http://nicokas.site.voila.fr/creations/nicokas_corrida.WMV
A crueldade dos rodeios http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=rodeo_cruelty - Lutas de cães contra porcos http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=rodeo_cruelty
Vídeos animados e diversos:

Meatrix http://www.themeatrix.com/
http://www.themeatrix.com/portuguese/
http://www.themeatrix.com/portuguese/dub/
Animais têm sentimentos http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=share-the-world-eng
Cidadão/ã compassivo/a: os animais têm sentimentos
http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=cc_english_feelings
Dissecação nas escolas? Não!
http://www.petatv.com/tvpopup/Prefs.asp?video=david-gallagher-psa
Diga não à carne de vitela http://www.noveal.org/forgetaboutit/
Por trás da beleza http://www.petatv.com/tvpopup/prefs.asp?chgpref=1&video=behind_the_beauty
http://www.strasbourgcurieux.com/fourrure/
http://www.factoryfarming.com/gallery/photos_video.htm
Outros:
http://www.itsmeowornever.org/homeless.html
http://www.putphoto.com/d/61458-2/1113455671.wmv
http://tinyurl.com/byaoq
http://itstheirdestiny.2kat.net/video.html
Charge contra o uso de peles
http://charges.uol.com.br/vercharge.php?idcharge=848&modo=som
Charge contra rodeios
http://charges.uol.com.br/vercharge.php?idcharge=1834
Sobre orgânicos: http://www.planetaorganico.com.br/video.htm
Fotos de animais mortos nas estradas: http://www.lensculture.com/carney.html
Focas: http://www.oipaitalia.com/cartoon/seals.html
Testes: http://www.stopanimaltests.com/feat/testing123/?int=weekly_enews

20 de jul de 2006















CRUELDADE ANIMAL
EM DOSE DUPLA
ABSURDO!!!
INCOMPETÊNCIA !!!

PMA e Ibama capturam onça em bairro de Corumbá19/07/2006 - 20:04Marcelo Fernandes - Rosana Nunes Atualizada às 10h46
A operação da Polícia Militar Ambiental (PMA) e Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) capturou uma onça-pintada que estava escondida em uma pequena gruta no bairro Universitário, na região do Forte Junqueira, na área urbana de Corumbá. A equipe teve um longo trabalho para capturar o animal com vida. A vigia permanente no local começou na segunda-feira, dia 17. No domingo, dia 16, uma fêmea adulta foi morta após atacar policiais ambientais que tentavam capturá-la.O macho foi capturado depois de uma mudança de estratégia na tarde desta quarta-feira, dia 19. As armadilhas com iscas vivas (cachorros oferecidos pelo CCZ local) – antes instaladas próximas à casa onde aconteceu o ataque inicial – foram concentradas na entrada da toca do felino. O animal foi atraído e empurrou a jaula que obstruía o acesso. Os barulhos produzidos pela ação da onça chamaram a atenção da equipe que conseguiu disparar dois tiros, sendo um de arma de fogo e outro com tranqüilizante. Após os disparos, o animal fugiu, mas foi encontrado dentro de uma outra toca, localizada abaixo do primeiro esconderijo.Completamente sedada, após receber tiros de dardos tranqüilizantes, a onça-pintada foi retirada da gruta e transportada para o barco da PMA. O local ficava em uma área de morro próximo ao rio Paraguai. Dali foi colocada em uma jaula e levada por um carro da PMA para uma clínica veterinária. A operação durou cerca de três horas – das 16h até 19 horas – entre o primeiro disparo até a captura completa. Na ação, foram enfrentados obstáculos como pouca iluminação natural, área de matagal e difícil acesso.Ronaldo Morato, chefe do Centro Nacional de Pesquisas para a Conservação dos Predadores Naturais (Cenap), do Ibama, sediado em Atibaia (SP), que participou da ação de captura, disse que o animal sofreu um tiro de raspão na perna direita. O chefe do Ibama de Corumbá, Ricardo Lima, informou ao Corumbá On Line que o animal foi levado para Campo Grande por volta da meia-noite. Ele irá ficar na Base Aérea da Capital, aos cuidados de veterinários da Uniderp. No local, há uma área disponível para a recuperação do animal, que passou por uma bateria de exames e avaliação clínica no Hospital Veterinário da Uniderp, sendo submetido a uma cirurgia, por causa de uma fratura no osso de uma das patas. A onça, segundo o chefe do Ibama, tem aproximadamente 8 anos e peso de 83 quilos. A avaliação feita pelos técnicos apontou que o animal perdeu peso nos últimos dias e está com um princípio de desidratação, o que justifica o quadro de redução da área geográfica de atuação do felino devido a cheia do rio Paraguai, dificultando o encontro de alimentos. O animal deve ficar na Base Aérea durante o período de reabilitação para depois ser solto no habitat natural.Operação encerradaO chefe do Ibama em Corumbá, Ricardo Lima, e o comandante da Polícia Militar Ambiental, major Joilson Sant'Ana, deram por encerrada a operação de captura de onças-pintadas no bairro Universitário. Segundo moradores do bairro onde as duas onças foram encontradas, havia um terceiro animal, mas a PMA e o Ibama fizeram uma "varredura" no local, na noite de ontem e hoje cedo, inclusive com cães farejadores e não encontraram nenhum vestígio da presença de outra onça. "Nós já conversamos com os moradores e os tranquilizamos. Não encontramos nada que indicasse que um terceiro felino estaria naquela área. Por isso, estamos dando por encerrada a operação", disse Ricardo Lima. Já o comandante da PMA, major Joilson, informou que a corporação permanecerá em alerta.


ABSURDO!!!

1. ACABARAM COM O HABITAT DAS ONÇAS
2. MATARAM A ONÇA FÊMEA
3. FERIRAM E CAPTURARAM O MACHO
4. USARAM CÃES (QUE FORAM DEVORADOS) COMO ISCAS VIVAS FORNECIDOS PELO CCZ LOCAL.

VEJAM A NOTÍCIA

http://www.corumbaonline.com.br/noticia.asp?codigo=84810

ESCREVAM PARA

http://www.corumbaonline.com.br/Faleconosco.asp


ENDERECOS DO IBAMA:
DISTRITO FEDERAL
SUPERINTENDÊNCIA DO IBAMA EM BRASÍLIA/DF -

VISITE O SITE
FRANCISCO JOSÉ VIANA PALHARESE-MAIL: francisco.palhares@ibama.gov.br

SAS, QD. 05, LOTE 05, BL. "H", 1º AndarCEP: 70.070-000 - BRASÍLIA/DF TEL: (61) 3035-3400 / 3002-4279FAX: (61) 3202-4282CONTATO: GILMA TEL.: (61) 3035-3450 / 3035-3453

MATO GROSSO DO SUL
SUPERINTENDÊNCIA DO IBAMA EM CAMPO GRANDE/MS
NEREU FONTESRUA 13 DE MAIO, N.º 2967 CENTRO CEP: 79.002-351 - CAMPO GRANDE - MS TEL: (67) 3317-2952/3317-2955 FAX: (67) 3317-2954E-MAIL:
nereu.fontes@ibama.gov.br
ESCRITÓRIO REGIONAL DO IBAMA EM CORUMBÁ RUA FIRMO DE MATOS, N.º 479 - CENTRO CEP: 79.331-050 - CORUMBÁ - MS TEL: (67) 3231-6096















FILIPINAS

Estima-se que 500.000 cães são assassinados anualmente nas Filipinas para consumo humano. A carne de cachorro é ilegal desde 1998,mas é comercializada,viva ou morta,livremente nos mercados e restaurantes. Os cães são tratados como objetos,encarcerados em minúsculas jaulas onde não podem mover-se nem respirar. São mortos com um corte na garganta.....conscientes. Assinem,por favor:
http://www.thepetitionsite.com/takeaction/985195393?ltl=1153264174

Afinal,é só o que podemos fazer por eles,infelizmente.

18 de jul de 2006



SALVEM-NOS!!!



Todo ano, mais de 27 bilhões de animais (incluindo peixes) são mortos para alimentação somente nos EUA. O vídeo do PETA "Chew On This" mostra o sofrimento dos animais e destaca muitas das razões para se escolher uma dieta baseada em alimentos de origem vegetal.

Bilhões de animais são salvos de um sofrimento horrível por causa do vegetarianismo. Simplesmente falando, produtos de origem animal podem te engordar, causar doenças cardíacas, atrapalhar sua vida sexual, e destruir o meio ambiente.

Seja Vegetariano pela Vida































INDISPENSÁVEL
Imagine a seguinte cena: você visita um restaurante na China e se depara com jaulas lotadas de cães e gatos. Familiarizada com as espécies, se pergunta por que esses animais estariam lá. Um cliente faminto escolhe um gato branco e felpudo, inclusive muito parecido com o seu. Num clique você percebe que aquele ser é o cardápio principal da noite. Antes de ser escaldado em água fervente, o bichano leva pancadas na cabeça e tenta, desesperadamente fugir. A pergunta é: quais direitos esse animal tinha e quais deveria ter? Fazendo uma comparação cultural, esse mesmo gato chinês poderia ser o frango brasileiro, mas alguém se preocupa com a galinha degolada?
Tom Regan, professor norte-americano de Filosofia e um dos maiores nomes da Bioética, faz essas perguntas em Jaulas Vazias - Encarando o Desafio dos Direitos Animais, seu mais recente livro e único lançado no Brasil. Ativista pelos direitos dos animais há mais de 30 anos, Regan atenta em seu título a todas as formas de abuso que animais sofrem por conta de um dos maiores tipos de preconceito, o especismo. Prejulgamento esse que faz o homem considerar sua espécie superior a todas as outras.
Com base puramente moral e ética, o professor questiona todo ato que inflija dor e sofrimento animais, o que nada mais é do que não privá-los dos privilégios usufruídos por todos os animais não-humanos, como direito à integridade física e psicológica. É defendida, então, a destruição das jaulas para que a libertação animal seja feita e estes passem a não mais sofrer a exploração a que são submetidos.
Em uma conversa com o leitor, Regan examina e esclarece as razões fundamentais dos direitos humanos, cruzando-as com os direitos morais que os animais deveriam ter. O autor os coloca no mesmo patamar quanto a 'sujeitos-de-uma-vida' - termo que Regan usa para designar a capacidade de um ser de se importar com o que acontece em sua vida, mesmo que ninguém se importe.
Regan aponta muitas das causas pelas quais os direitos dos animais ainda não foram perpetuados. Porta-vozes da indústria, seja ela da carne ou de experimentos animais, desfrutam do que o autor chama de 'dito-desconexo'. Com discursos decorados, falam o que as pessoas gostariam de ouvir, ou seja, que o tratamento dado é humanitário e o bem-estar animal é prezado. Segundo o autor, esses porta-vozes pintam os defensores dos animais, ou ativistas, como extremistas malucos, que pregam a libertação animal a qualquer custo, nem que para isso atos terroristas sejam envolvidos. Impossível fazer valer uma afirmação dessas, já que direitos animais caminham juntamente aos direitos humanos, e não paralelamente a eles. Infelizmente, esses mesmos pregadores não abrem suas portas para que todos vejam a olho nu o verdadeiro tratamento humanitário, que inclui um abate violento - no caso dos animais para consumo humanos - e produtos químicos corrosivos em olhos de coelhos. Regan salienta que talvez eles até acreditem agir de forma humanitária, mas essa é uma outra história.
Conhecer é poder optar de forma consciente entre o justo e o cruel, diferente de aceitar cegamente os conceitos que a mídia comprada pela indústria passa. Nesse ponto, Jaulas Vazias é uma obra esclarecedora. De forma clara e concisa, Tom Regan discute temas como a caça por esporte, rodeios, touradas, corridas de galgos, manejos animais, indústria do couro, lã e entretenimento, entre muitos outros, que atingirão em cheio o consumidor. Resumidamente, a obra de Regan traz a seguinte mensagem: lutar pela paz é ir ao encontro do especismo, é conviver pacificamente com outras espécies sem julgá-las inferiores ou apenas seres existentes para o prazer humano.
Tom Regan estará presente no 1° Congresso Vegetariano Brasileiro e Latino-americano, que acontecerá entre os dias 4 e 8 de agosto de 2006 no Memorial da América Latina, em São PauloSaiba mais no site da Sociedade Vegetariana Brasileira

17 de jul de 2006


















...e tem gente que consegue sorrir



A IRRESPONSABILIDADE DOS HOMENS






















VITÓRIA
A vitória em 2a. Instância da Justiça (Tribunal de Justiça) contra o Circo Stankovitch é importantíssima, pois estamos formando jurisprudência, já que a Câmara de Desembargadores do TJ declarou a Lei Municipal Paulistana que proíbe animais em circos como CONSTITUCIONAL.
Quanto ao processo do Stankovitch contra o Aurélio e a ONG Mundo Mais, ele "pode vir quente que nós estamos fervendo".

JOSÉ JANTÁLIA
Chefe de Gabinete
Vereador Aurélio Miguel
(josejantalia@uol.com.br)
(aureliomiguel@camara.sp.gov.br)

E segue a ação civil pública contra o circo Stankovitch. Em agravo de Instrumento contra a decisão do Juiz de primeiro grau, o circo perdeu, e a proteção animal ganhou com o despacho do desembargador-relator que reconheceu ser constitucional a lei na nossa cidade. O advogado do circo se irritou e promete processar a diretoria da Ong Mundo Mais, a advogada e o VereadorAurélio Miguel por calúnia quando afirmamos que o circo comete crime de abuso e maus tratos. Aguardamos ansiosamente que tal advogado consiga provar que deixar um animal selvagem trancafiado numa jaula longe de seu habitat natural, não seja considerado abuso e maus tratos. Portanto, é com prazer e orgulho que podemos dizer que na cidade de São Paulo, não teremos mais apresentações de animais de circo!!!
E agora? Vamos espandir essa lei e torná-la federal?

14 de jul de 2006


















as eleições estão chegando....

Conheça os políticos que são contra os animais!!!!!!Veja a lista abaixo, lembre-se na hora de votar: ESTES SÃO CONTRA ANIMAIS:

*Dep. Fed. Jose Thomaz Nono, do PFL de Alagoas - Autor do PL 4.548/98 que RETIRA proteção aos animais domésticos e domesticados, da Lei de crimes ambientais, para poder legalizar crueldade nos rodeios.
*Luiz Henrique da Silveira (atual licenciado e candidato à reeleição) - Governador de Santa Catarina - Vem violando frontalmente a decisão do Supremo Tribunal Federal ( STF), que proíbe a Farra do Boi. Faz vistas grossas porque políticos da região dão bois para os farristas, em troca de votos. A farra do boi é uma das formas mais violentas e cruéis de tortura.
*Deputado Antonio Ebling PL 4790/98 - pretende isentar das penalidades do artigo 32 as atividades culturais, recreativas e desportivas, segundo ele, como briga-de-galo, tiro-ao-pombo, etc.
*Deputado Ronaldo Vasconcellos (PFL/MG) PL 1695/99 - pretende liberar a caça amadora e de subsistência em todo o país.
*Deputado Adelor Vieira (PFL) - apresentou projeto de lei pra derrubar a decisão do STF, regulamentando a Farra do Boi (inconstitucionalmente )
*Deputado Moacir Micheletto (PMDB-PR) - autor de projeto de Lei que atenta contra as reservas legais da Amazônia, que podem ser reduzidas de 80% para 50%,podendo chegar a apenas 20% na elaboração do zoneamento ecológico-econômico.
*Dep. Xico Graziano - Relator do PROJETO DE LEI Nº 4.495-A/98, do Deputado Jair Meneguelli. Deu parecer FAVORÁVEL, defende os rodeios e chama de ignorantes os que defendem os animais.
*Deputado Roberto Pessoa -(PFL - CE) PROJETO DE LEI 167/99 - Considera a vaquejada como prática desportiva formal.
*Deputado Paulo Lima (PFL - SP) PL 249/99 - Considera prática desportiva formal o rodeio completo.
*Dep. Milton Monti (PMDB - SP) PL. 388/99 - Regulamenta a realização de rodeios e similares e dá outras providências correlatas.
*Dep. JAIR MENEGUELLI (PT - SP) PL. 3456/97 - Institui normas gerais relativas a atividade de peão de rodeio.
*Ex Ministro dos Esportes, Rafael Grecca - A favor da regulamentação da profissão de peões como atletas
*Senador Roberto Freire - ficou famoso entre os defensores dos animais após ter a seguinte frase publicada: " Detesto cachorros. Por mim, exterminaria todos" (PPS-PE).
*Governador Jayme Lerner, do Paraná - Legalizou a caça no seu estado, sancionando o projeto de lei de número 12.603, de autoria do Deputado Estadual Aníbal Khoury (já falecido), apoiando os lobbistas fabricantes de armas na região Sul do Brasil.
*Victor Hugo Ribeiro Burko, Prefeito de Guarapuava , Paraná - Instituio 1º FESTIVAL DE CAÇA E CARNES EXÓTICAS DE ANIMAIS SILVESTRES DE GUARAPUAVA. Apoiou o projeto de lei que legalizou a caça no Paraná, do falecido Dep. Anybal Coury.
*Deputado Estadual Sivuca do Rio de Janeiro Lei 3.207/99 (não foi regulamentada, proíbe permanência de animais ferozes em locais públicos, sendo que os animais ferozes desta Lei são cães que podem ser de pequeno, médio e grande porte que tem índole de fera e o animal deverá ser apreendido por órgão competente. (detalhe: os animais ferozes, para ele, são quaisquer cães que latem e/ou mordem quando provocados)
*Vereador Gilberto Palmares (RJ) - projeto de lei 8555/98 que proíbe a criação e circulação de pit-bulls. Todos os pit-bulls seriam levados para acautelamento e lá permaneceriam até o fim da vida.
*Vereador Gerson Bergher (Thereza Bergher - sua esposa - "prefeitinha" de Copacabana ) - retira animais dos mendigos e chama a carrocinha (detalhe: nunca fizeram nada para ajudar os mendigos)
*Leila Malwee ( Leila do Flamengo ) - perseguia e chamava carrocinha para os gatos do Parque do Flamengo. Elaborou o projeto de lei 1441/99 que determinava o extermínio dos pit-bulls e rotweillers e proibia que andassem na rua, mesmo na coleira.
*Fernando Pimentel - prefeito de Belo Horizonte que permite o extermínio de animais saudáveis, 150 ao dia e não conversa com as entidades de defesa animal.
*Helvécio Magalhães - Secretário de Saúde de Belo Horizonte quem determina, autoriza e comanda o extermínio.

AJUDEM A DIVULGAR

13 de jul de 2006







CRUELTY FREE

ENFIM, UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL
Terminar com todos os testes em animais é algo com que nos preocupamos apaixonadamente. Temos trabalhado nessa direção ao longo dos anos, atuando na vanguarda das campanhas voltadas para evitar esses cruéis e desnecessários testes. Acreditamos que não há como justificar os testes de cosméticos ou de qualquer outro ingrediente em animais. A única maneira de verificar sua segurança no organismo humano é testá-los nos próprios homens. E é isso que fazemos.
Também não adquirimos ingredientes de nenhuma empresa que trabalhe com testes em animais. Nem um centavo de nosso dinheiro, nem do seu, vai para empresas que fazem seus testes em animais. Acreditamos que essa é a única posição conveniente a ser adotada. Aproveitamos para estimular todas as empresas de cosméticos e organizações anti-crueldade a adotar essa política.
Se pudermos convencer uma empresa que trabalhe com testes em animais a eliminá-los de suas práticas, prontificamo-nos a negociar com ela, a partir do momento da interrupção desses testes. E se uma empresa com a qual negociamos voltar a fazer testes em animais, interromperemos nossas compras. Há testes alternativos que podem ser utilizados. No passado, os membros da equipe da Lush convenceram dois fabricantes de ingredientes a interromper completamente essa prática em animais. Isso foi conseguido quando mostramos a eles as alternativas, oferecendo-nos para comprar seus produtos a partir do momento em que abandonassem essa atividade.
Não compre de empresas que executam, financiam ou implantam testes em animais.

http://www.lush.com.br/index.asp





















Você acha justo?
Todos os anos, milhões de animais sofrem e morrem em testes dolorosos para determinar a segurança de cosméticos , produtos de higiene e limpeza , medicamentos, entre outros...
São várias as finalidades dos experimentos realizados com animais. Nas universidades de medicina, veterinária, biologia, farmácia, os alunos são incentivados a matar animais para testes ...
Você acha justo isso?

10 de jul de 2006















OS CAMINHOS DA CARNE

Sergio Greif, biólogo, coordenador do Departamento de Meio Ambiente da SVB.

Passei alguns de meus últimos anos no interior de São Paulo, fiscalizando fontes de poluição ambiental: usinas de açúcar e Alcool, fábricas que processamento de polímeros, fundições etc. Mas nada me pareceu tão poluente e agressivo quanto os curtumes e abatedouros de animais. Estas atividades são, é claro, extremamente poluentes, mas pretendo falar sobre este assunto em outra ocasião. Gostaria de reservar este momento para falar sobre uma outra forma de violência, aquela que presenciei nos matadouros e abatedouros de animais.
Embora o sofrimento do animal que será abatido se inicie já em seu nascimento, é no matadouro que ele encontra o seu fim. Não é um fim agradável, tranqüilo ou sem dor, como muitas pessoas querem acreditar. As pessoas são levadas a crer que os animais que lhes servem de alimento levaram uma vida de prazeres, brincando nos campos com outros animais de fazenda e que em determinado dia estes foram transportados e abatidos de forma indolor. Esta é a imagem que a indústria da carne nos passa, com suas propagadas de animais sorridentes e suas embalagens coloridas que quase não sangram.
As pessoas não acreditam, ou não querem acreditar, que animais de corte tiveram toda uma existência miserável, privados da luz do sol, do ar fresco, de pisar a terra. O objetivo de uma criação de animais de corte não é, é claro, o bem estar dos animais. O objetivo é lucro, produzir mais carne, em menor espaço e no menor tempo possível. Desta maneira ovinos, suínos e frangos são criados em locais com alta densidade de indivíduos, em espaços mínimos que limitam seus movimentos e o desempenho das atividades mais básicas, características de suas espécies. Os bovinos ainda são criados de maneira extensiva no Brasil, mas esta realidade tende a se alterar com o aumento na demanda e profissionalização do setor.
Descrever o que acontece em um matadouro não é uma tarefa fácil.
Provavelmente ler sobre o que lá se passa também não seja, mas acredito que temos a obrigação de divulgar estas verdades, e desfazer os mitos que se formam, de que os animais não sofrem com o abate. Todo aquele que se alimenta de animais tem o dever de conhecer este último e importante passo na vida da comida que tem em seu prato. As descrições que se seguem representam o que pude presenciar do abate de animais. Quando forem citados procedimentos diversos aos quais presenciei, farei menção a isto.
Matadouros de Gado
Os animais são transportados em caminhões de transporte de gado, geralmente contendo 12 animais, que tentam se manter em pé enquanto o veiculo se desloca. Os animais são geralmente trazidos de fazendas próximas ao abatedouro, mas em alguns casos provém de localidades mais distantes, o que significa que este transporte pode durar várias horas.
O caminhão adentra o matadouro e os animais são descarregados a chutes e pontapés em um terreiro cercado (imagino que eles foram colocados no caminhão também na base do chute). Neste terreiro os animais ficarão à espera por algumas horas, pois os abates quase sempre ocorrem durante a madrugada.
Não pude presenciar a hora em que o abate começa, devido ao horário, mas imagino que os animais são enfileirados no corredor que leva à sala onde serão abatidos. Nas primeiras horas da manhã é evidente o estresse que estão vivendo os que ainda esperam a vez de entrar na sala do matadouro, pois estes presenciaram a morte de todos os animais que foram na frente. Seus olhos aparecem saltados na órbita, bem irrigados de sangue, e seus mugindo são desesperados e frenéticos.
Estes animais ouviram o que aconteceu com os animais que foram à sua frente, sentiram o cheiro de seu sangue e possivelmente viram alguma cena desagradável, é claro que resistem até onde podem para não passar pelo corredor que leva à sala do matadouro. Por este motivo, um funcionário do estabelecimento os força a fazê-lo dando chutes e eletrochoques através de uma vara. O animal vivencia um verdadeiro pânico, e tenta recuar, mas é empurrado para frente pelo animal que vem atrás, que também está levando eletrochoques. Ele tenta se jogar para os lados, mas as barras de aço só lhe permitem que avance para frente.
Ao entrar na sala do matadouro, o animal presencia por cerca de um minuto o que está sendo feito com seus companheiros, alguns já pendurados, alguns sendo fatiados em diferentes processos, seu sangue e suas tripas espalhados pelo chão da sala. O animal em vão tenta escapar, mas está completamente cercado por barras de aço. Neste momento o animal sofre o processo que se chama "insensibilização". No caso dos matadouros que estive visitando, esta insensibilização é feita com uma pistola pneumática, mas em muitos matadouros a insensibilização ainda é feita a golpes de marreta.
A pistola pneumática dispara uma vareta metálica no crânio do animal, perfurando-o até o cérebro. Diz-se que este é um método "humanitário", pois o animal não sofre dor e permanece desacordado por todo o resto do processo, mas a verdade é que não podemos saber se aquele animal de fato não sentiu dor. Certamente a pistola o torna imóvel, mas o animal não parece desacordado, apenas atordoado e impossibilitado de reagir. Algumas vezes, um mesmo animal precisa ser insensibilizado mais de uma vez, o que mostra que este não é um método "humanitário" nem indolor.
No passo seguinte, o animal é pendurado de cabeça pra baixo em uma corrente, suspenso por uma das patas traseiras. É possível que neste momento o peso do animal trate de romper alguns de seus ligamentos, destroncar seus membros.
No momento em que o animal é suspenso, percebo que sua cabeça ainda se move. O funcionário do matadouro diz que são espasmos, contrações involuntárias, que o animal já não pode sentir. Mas seus olhos ainda piscam, a língua ainda se mexe, tentando conter o vômito e puxar para dentro o ar. Este animal não está sentindo dor?
O animal é então sangrado, degolado, estripado e esfolado. O sangue que jorra é recolhido em parte para uns tonéis, mas a maior parte cai em uma canaleta. As fezes e o vômito são recolhidos em outra canaleta. Com enormes facas sua barriga é aberta e as tripas são jogadas no chão. Alguns animais ainda parecem se mexer nesta etapa e a impressão que tenho é que eles podem ver suas tripas no chão. O sangue e as tripas serão encaminhados para o setor de processamento de embutidos (lingüiças, salsichas, etc.).
O couro destes animais que servem para a produção de carne não é considerado de boa qualidade, mas mesmo assim ele é retirado para uso menos refinado. Após isso o animal é baixado e são retirados os testículos, as mamas, patas e língua. Estas 'peças' são comercializadas como iguarias ou são encaminhados para o setor de 'graxaria', de onde sairá o mocotó e a gelatina
Como os matadouros que visitei possuíam uma grande produção, uma "linha de desmontagem" como diriam alguns, pouca atenção era dada para cada animal e mesmo na etapa de retirada do couro e desmembramento, alguns animais ainda estavam se mexendo. Neste matadouro o couro é retirado quase completamente por uma máquina que parece uma máquina de fazer massas, o funcionário apenas tem que separar o couro em alguns pontos.
Finalmente, ocorre o corte seccional da "peça". O animal é dividido em duas metades e a carcaça é lavada. Neste momento, dependendo da finalidade, o animal poderá ser retalhado em cortes ou sua carcaça poderá ser levada para o frigorífico. Quando a carne chega à câmara fria, o calor do animal ainda emana dela. As carcaças são penduradas em ganchos enfileirados e apesar do frio, o cheiro nauseante da carne é perfeitamente perceptível. Dali a carne seguirá para os açougues e mercados.

Matadouro de suínos
O abate de suínos é um pouco diferente do abate de bovinos. Alguns dos matadouros que conheci simplesmente não o faziam, outros reservavam um dia da semana para o abate de suínos e apenas um possuía um programa de abate constante de suínos. Os porcos são criados em sistema de confinamento, diferente do gado bovino no Brasil. Estes animais são criados em baias cobertas e muitas vezes ficam isolados do chão. Recebem ração de engorda e jamais tem a possibilidade de chafurdarem a terra, comer grama, etc. a idéia é que o animal receba alimentos calóricos e que gaste pouca energia movimentando-se. Desta forma o animal ganha peso em menor tempo. Nos últimos dias, os que antecedem o abate, o animal recebe menos ração e um ou dois dias antes recebe apenas água. Isto se dá para que na hora do corte, haja menos fezes transitando pelo trato digestivo, o que facilita a limpeza da carcaça do animal.
Os suínos chegam em um caminhão de transporte, em engradados empilhados em andares, as fezes dos porcos de cima caem sobre os porcos de baixo e o cheiro do caminhão como um todo é insuportável, mesmo quando se está dirigindo atrás de um destes em uma rodovia, a 120 km/hora. No matadouro, os engradados contendo os animais são descarregados sem grandes cuidados. Os animais são forçados a saírem à base de pontapés ou sendo cutucados por porretes. No terreiro de espera, os animais ouvem o que se passa com os que já adentraram a sala do matadouro, e se desesperam. Não pude deixar de notar em uma de minhas visitas a um destes matadouros, que em momento algum os porcos silenciavam. O tempo todo em que os animais aguardavam no terreiro, um funcionário do matadouro tentava acalmá-los, batendo-lhes com um porrete.
Da mesma maneira, para que entrassem na sala de abate, os animais eram conduzidos com chutes e clavadas.
Na sala de abate o animal recebe um eletrochoque, que lhe causa uma paralisia, mas certamente não a sua morte. O animal é então suspenso por uma das pernas e degolado com uma faca (o sangue é recolhido para um tanque) e suas tripas são retiradas. Em seguida ele é mergulhado em um tanque de água fervente e depois é desmembrado. Devido à velocidade com que este processo ocorre, algumas vezes o animal é mergulhado ainda vivo e consciente na água fervente, e chega ainda piscando os olhos na mesa de corte e esfola.

Matadouro de aves

O abate de aves ocorre em estabelecimentos especiais denominados "abatedouros de aves". Conheci abatedouros grandes, das maiores empresas nacionais e que vendem seus produtos para o mundo inteiro. Por este motivo, o fluxo de atividades nestes estabelecimentos é constante. Vê-se filas de caminhões trazendo frangos de diversas granjas para serem abatidos. Os animais são transportados em pequenas gaiolas contendo 5 ou 6 aves, muitas delas já chegam mortas devido ao estresse do transporte e ao tempo de espera Presenciar o descarregamento destes animais é uma visão única.
As gaiolas são abertas, e os animais são presos pelas patas, de cabeça para baixo, em ganchos presos a uma esteira. Os animais perecem não ter reação nenhuma.
Certa vez vi a esteira parar para o almoço dos funcionários, algumas gaiolas já estavam abertas. As aves continuaram ali, mesmo as que saíram das gaiolas apenas se empoleiraram na grade, não tiveram o impulso de sair. Uma das aves que foi parar embaixo do caminhão ficou lá por mais de uma hora. Não é que estes animais não tivessem amor por sua própria vida, mas sim o fato de que jamais tiveram a oportunidade de exercitar seus músculos.
A maioria daqueles animais tinha cerca de 45 dias de vida e foram criados para terem coxas e peitos macios e enormes, não para andarem por aí. Por este motivo, eram incapazes de dar mais do que alguns passos. Nas esteiras, os animais são levados para a sala onde ocorre o abate.
Ali recebem um choque de pequena voltagem, que deveria servir para atordoá-los, mas na verdade, apenas deixa as aves mais agitadas. Pergunto por que não aumentam a voltagem, desta forma as aves simplesmente morreriam ou seriam ao menos atordoadas. O gerente de produção me explica que se eles aumentassem a voltagem o animal de fato morreria, mas isto também endureceria a carne. Elas seguem então para uma máquina que procede a degola automática e depois tomam um banho escaldante. São então depenadas e estrinchadas. Muitas vezes ainda estão vivos quando chegam a estas ultimas etapas, tendo sobrevivido inclusive à fervura. Presenciei inclusive animais que em uma ou outra fase do processo se soltam dos ganchos e caem no chão, ficando lá se debatendo.
Os funcionários não fazem nada para abreviar seu sofrimento, pois não podem se desligar de suas atividades na esteira.
Desta forma, a morte destes animais é ainda mais lenta e dolorosa. Quem são os responsáveis por estas mortes? Mesmo uma pessoa sensível, quando exposta a estas cenas durante cinco dias por semana, oito horas por dia, acaba se insensibilizando. Esta é a realidade do funcionário de um matadouro. Se estes são homens truculentos e rudes, é porque seu meio de vida os tornou assim. Certamente se estas pessoas conservassem sua sensibilidade, não seriam qualificados para seu trabalho.
Mas seu trabalho somente existe porque alguém os paga para fazê-lo. Então o funcionário do matadouro não deve ser visto como o único culpado pela morte destes animais. O proprietário do abatedouro tampouco, porque ele apenas mantém seu estabelecimento, já que alguém compra seus produtos. Os açougues e supermercados a mesma coisa. Apenas quem pode impedir que estas mortes continuem ocorrendo é o consumidor.
O consumidor sim, aquele que se sente desconfortável em visitar um matadouro que prefere não saber a verdade, se poupar de vislumbrar estas cenas, que prefere esquecer que os pedaços de carne em peças eram um animal poucos dias antes. Este sim é o verdadeiro responsável.
Estamos prontos para nos indignar com a matança de bebês foca no Canadá, com a caça de raposas para fazer casaco de pele ou com o consumo de carne de cachorro na China. Estamos prontos para levantar bandeiras em defesa das baleias, da Amazônia ou doar algum dinheiro para o Greenpeace. E todas estas coisas de fato são importantes, mas estão muito distantes de nossa realidade É fácil não ter um casaco de pele de raposa ou de foca, é fácil não ser culpado da morte destes animais e é mais fácil ainda condenarmos a pessoa que faz uso destes objetos.
Mas a morte de uma vaca, um suíno, um frango, ou seja lá qual for o animal, não deveria receber consideração diferente apenas porque sua utilização é tradicional segundo nosso ponto de vista. Qualquer pessoa que participe de seu ciclo de exploração é culpado pela morte de um animal, seja ele nativo, exótico, abundante ou esteja em vias de extinção. O fato de percebermos a criação e morte de animais em matadouros como um fato banal apenas agrava esta situação. Estes animais não viveram existências condizentes com os hábitos de sua espécie e em determinado dia foram abatidos no campo. Eles levaram vidas indescritivelmente sofridas e tiveram um fim doloroso. E se isto não está errado, nada no mundo está.
Não me tornei vegetariano por haver presenciado as cenas que descrevi acima. Eu já o era há mais de 20 anos. Haver visitado alguns matadouros e abatedouros de aves apenas serviu para fortalecer minha sensação de que eu estava no caminho certo. Saber que não faço parte disto, de certa forma, me confortava. Também me dava a certeza de que eu deveria dizer às pessoas o que vi, e da importância de se conscientizarem a respeito desses fatos.
Você ainda come cadáveres?
Não se envergonha disso?
SALVE VIDAS 3 VEZES POR DIA: NO CAFÉ DA MANHÃ, NO ALMOÇO E NO JANTAR. Seja mais um VEGETARIANO!