24 de abr de 2006


DIREITO À VIDA

Você já viu algum coelho usando maquiagem?

Você já viu algum cão, gato ou macaco tomando altas doses de medicamento sem estarem doentes?

Você já viu algum animal sadio ser operado?

VOCÊ CERTAMENTE NÃO VIU, MAS ELES EXISTEM.
ESTÃO LÁ, TRANCAFIADOS ATRÁS DAS PAREDES DOS LABORATÓRIOS DE PESQUISAS.

Segundo pesquisas, anualmente 100 MILHÕES de animais são usados em testes e experiências patrocinadas por industrias que você nem imagina.

Aproximadamente, 30 mil substâncias quimicas são estudadas em animais antes de chegar ao consumo humano. Os animais são obrigados a ingerir e respirar substâncias que são a base para se fabricar pesticidas, produtos de limpeza, higiene, cosméticos, etc.

São testes que medem os níveis de toxidade de cada produto. Desde um simples sabonete, a tinta da parede de sua casa, até um lustra móveis, tudo foi testato num animal antes de chegar às suas mãos.

Os coelhos são as vítimas prediletas dos pesquisadores por terem olhos grandes e serem extremamente dóceis. Coelhos tem seus olhos recobertos com produtos quimicos para testar os níveis de corrosão ou irritação. A maioria das mulheres não sabem, mas, todo batom, perfume e maquiagem, foi devidamente testado num coelho.

Ao final dos testes, após passar por um longo período de sofrimento, o animal encontra-se cego, com convulsões, úlcera, até que o pesquisador decida pela sua morte pois já não serve mais para o trabalho.

Os cães são as vítimas prediletas das instituições de ensino. São abertos em aulas práticas nas faculdades de medicina humana e medicina veterinária, biologia e farmacia. Na maioria das vezes, quando anestesiados, recobram os sentidos ainda na mesa com o corpo aberto. Animais são operados mais de uma vez numa única aula e depois jogados no lixo.

Você acha certo isso?

Você concorda que os animais paguem com a vida para que a sua seja beneficiada?

Animais são simples objetos que estão aí para nos servir ou NÓS é que roubamos-lhes o direito à vida?


ABOLIÇÃO ANIMAL JÁ

Nenhum comentário: